Divulgação
Divulgação

'O Brasil nunca teve uma vocação para exportar', diz CEO da Blanver

CEO da produtora de insumos para as indústrias farmacêutica e alimentícia, Sérgio Frangioni avalia que a cultura exportadora ainda é muito embrionária no Brasil

O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2015 | 03h00

O ano de 2015 foi positivo para o setor de exportações da Blanver, produtora paulista de matérias-primas para as indústrias farmacêutica e alimentícia. A empresa projeta faturar no ano R$ 375 milhões e parte dos rendimentos vem de negociações com países como Estados Unidos e Espanha. Para o CEO da Blanver, Sérgio Frangioni, o câmbio desvalorizado ajuda, mas não é determinante. 

“Quando olhamos o mercado de exportação, não podemos pensar em uma questão pontual, como o câmbio. É um trabalho de médio e longo prazo”, reflete o empresário. “A moeda está desvalorizada, mas atrás dela vem também a inflação”, pontua. 

Frangioni é a segunda geração à frente da Blanver, fundada há 35 anos. Durante essa trajetória, a família acompanhou transformações significativas na conjuntura econômica mundial, como a aliança comercial do Mercosul. Para o atual CEO, o acordo foi vantajoso por um tempo, porém perdeu relevância para as empresas exportadoras brasileiras. 

“Os acordos bilaterais da Blanver com outros países têm dois momentos: antes e depois do Mercosul”, relembra. “Antes do acordo, tínhamos uma flexibilidade de negociar muito maior. Com o tempo, perdemos 6,5% das vendas com a Europa. Perdemos o timing”, comenta Frangioni.

Em relação a políticas governamentais de incentivo à exportação, o empresário pontua que o Brasil ainda deixa a desejar na relação comercial com outros países. 

“Minha sensação é de que o Brasil nunca teve uma vocação para exportar. Olhamos muito para o nosso umbigo, por uma questão cultural e também estrutural”, analisa o empresário. “Vemos hoje um esforço grande, que está construindo algo que está pronto lá fora há tempos. Se tivermos uma economia de escala voltada só para o mercado brasileiro, ficaremos muito expostos à concorrência externa.” 


Mais conteúdo sobre:
exportaçãofóruns estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.