''O Brasil terá papel importante na recuperação mundial''

Axel Heltmann: Presidente mundial da Lanxess; para executivo, papel[br]da subsidiária brasileira dentro do grupo alemão será cada vez[br]mais relevante

Entrevista com

Paulo Justus, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2009 | 00h00

A multinacional alemã Lanxess, maior produtora de borracha sintética do mundo, já era dona de pelo menos um produto muito conhecido no Brasil - o Pó Xadrez -, mas ganhou um porte muito maior no mercado brasileiro no final de 2007, quando anunciou a compra da Petroflex, a maior produtora de borracha sintética da América Latina, que pertencia à Petrobrás, Unipar e Braskem. O negócio foi concluído no ano passado e envolveu cifras de 500 milhões. Hoje, o Brasil é responsável por 50% da capacidade de produção do carro-chefe da companhia, a borracha de polibutadieno, matéria-prima para a fabricação de pneus. E, não só por isso, o País tem garantido cada vez mais atenção da matriz da empresa. Segundo o presidente mundial da companhia, Axel Heltmann, que visitou o País recentemente, o Brasil é o principal alvo da atenção da empresa hoje - pelo menos entre os países em desenvolvimento. Entre os principais fatores que levam a essa postura estão o fato de o País estar resistindo bem à crise global, a força de seu mercado interno e a abundância de recursos naturais. "O Brasil vai ter um papel importante no crescimento mundial. Nós estamos apostando nisso", disse o executivo. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Como a crise global afetou a Lanxess e como a empresa se preparou para sair dessa turbulência ?

Nós introduzimos um programa compreensivo da crise, que chamamos de desafios de 2009. Posteriormente, prolongamos esse programa até o final de 2012. Agora o programa se chama Desafio 12. O programa vai proporcionar uma redução de custos de 350 milhões. Consiste em reduzir a contratação, redução temporária de horas trabalhadas, em linha com o pagamento. Essa é a resposta certa para demandas menores. Com isso, posso manter uma força de trabalho qualificada e habilidosa, porque vamos precisar deles quando a demanda retomar novamente. Isso ocorreu no mundo todo e em cada país foi adaptado para as necessidades locais, porque o corte na produção foi diferente.

Atualmente, os preços das matérias-primas estão em alta. O sr. acha que essa recuperação pode ser mais uma bolha?

As matérias-primas e os petroquímicos necessários para se produzir a borracha sintética estão atualmente numa alta rápida. Isso está criando um desafio para a nossa indústria e os clientes, e traz uma enorme volatilidade. A alta não é justificada, na minha opinião, e não reflete situações de oferta e demanda. Acho que não é sustentável no médio prazo. No curto prazo, temos de encarar esse desafio. Vamos fazer um grande esforço para repassar isso para o mercado. Estou confiante de que podemos fazer isso porque temos produtos inovadores, que permitem aos nossos clientes produzirem eles mesmos produtos inovadores e competitivos no mercado. Mas isso vai levar algum tempo, mais que em anos anteriores, porque o aumento das matérias-primas foi rápido e inesperado.

O mundo, aparentemente, começa a sair da situação difícil em que se encontrava no início do ano. No Brasil, por exemplo, já se prevê uma forte recuperação do PIB no ano que vem. Como o sr. vê esse quadro?

Acho que são notícias muito positivas. Os especialistas estão prevendo um crescimento de 4% a 5% para o Brasil em 2010. Essa é uma boa notícia para todos que estão no mercado brasileiro, e como temos uma grande base de produção aqui, acho que é uma notícia a ser comemorada. Nós queremos capturar essas oportunidades. Também queremos usar nossa capacidade no País para exportação, como fizemos no passado. Em exportação, você precisa ter uma posição competitiva nos mercados globais. E, graças ao investimento em curso, programa de atualização das instalações, nós estamos confiantes que podemos manter nosso alto nível de exportação das unidades brasileiras.

Atualmente, qual é a relação entre exportações e mercado interno?

No momento temos 50% de nossa produção destinada ao mercado local e 50% para exportações.

E qual é o plano para os próximos anos, vocês esperam crescer a participação das exportações?

É prematuro dizer isso, tudo depende do momento no Brasil. Eu prevejo que, se o País tiver esse crescimento (de 5%) no próximo ano, nós vamos acabar tendo uma maior porcentagem do mercado brasileiro nas nossas vendas.

Qual é o potencial de ajuda do Brasil para a recuperação do crescimento da Lanxess?

O Brasil tem uma enorme população, de quase 200 milhões de pessoas, com muitos jovens e uma classe média crescente. O País tem um cenário de poder de compra crescente dessa enorme população, em linha com o enorme pacote de estímulos do governo e somado a matérias-primas competitivas. O Brasil vai ter um papel importante no crescimento mundial. Nós estamos apostando nisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.