O charme de dormir em cápsulas

O charme de dormir em cápsulas

Os hotéis em cápsula, mais comuns em Tóquio, se espalharam por aeroportos, estações de trem e centros de cidades ao redor do mundo - substituindo e imitando os quartos para um dia (day room) existentes em muitos aeroportos.

, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

Diferentemente das camas avulsas de Tóquio, a Yotel (www.yotel.com) oferece opções maiores e mais confortáveis em alguns aeroportos, como o Gatwick e Heathrow, de Londres, e o Schiphol, de Amsterdã. São mini-quartos equipados com cama, mesa, televisão de alta definição e internet sem fio. A quarta unidade do Yotel será lançada em Nova York em 2011. Terá 669 quartos de luxo e o maior terraço da cidade.

Na Holanda, a rede Citzen M (www.citzenm.com) tem um hotel com 230 micro-quartos no aeroporto de Schiphol e outro com 215 acomodações na capital Amsterdã. A empresa planeja abrir hotéis similares na Europa.

Uma das mais recentes inovações é o SleepBox, desenhado pelo escritório russo de arquitetura e design Arch Group (www.arch-group.org). Junto com uma versão de cabine para aeroporto, equipada com a estrutura de tecnologia oferecida por hotéis convencionais, o Arch também desenhou um versão para albergues. O "caixote", com 2 metros de comprimento por 2,3 metros de altura, é feito de madeira e MDF. O objetivo é ouso eficiente do espaço disponível, o que torna perfeito para albergues. O modelo para albergues vem equipado com camas, mesas dobráveis e tomadas para computadores e carregadores de telefone.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.