O contraste entre os regimes previdenciários

O contraste entre os regimes previdenciários

Sindicalistas e parlamentares insistem em elevar as aposentadorias dos que recebem acima do salário mínimo em mais do que os 6,14% aplicados desde janeiro, ignorando o aumento do déficit da Previdência Social, mostrou reportagem de Denise Madueño, sexta-feira, no Estado. Predomina, em ano eleitoral, o interesse de disputar o voto de uma grande clientela - 8 milhões de aposentados recebem mais do que o mínimo. Mas o contraste é ainda maior com as aposentadorias privadas, propiciadas pelas entidades de previdência complementar, em que se prevê aperto nos benefícios dos que estão entrando no mercado de trabalho.

, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2010 | 00h00

Entre fevereiro de 2009 e fevereiro de 2010, o déficit do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) passou de R$ 2,584 bilhões para R$ 3,781 bilhões, mais 39,5% reais ou 46,3% nominais. O secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer, admite que o déficit previdenciário aumentará de R$ 43,6 bilhões em 2009 para R$ 50,7 bilhões neste ano. Só não será maior em razão da recuperação do mercado de trabalho formal e, portanto, das receitas do INSS.

Uma das fontes do desequilíbrio do INSS foi o aumento do salário mínimo - nos últimos cinco anos, o reajuste oscilou entre 8,5% e 16,6%, muito acima da inflação oficial. Em 2009, o mínimo era de R$ 465,00 e passou para R$ 510,00 em janeiro, aumento de 9,6% contra o IPCA de 4,3%. Há impacto negativo nas contas do INSS de prefeituras e Estados. À liberalidade com aposentados e pessoal contrapõe-se a dificuldade de executar o orçamento de investimentos.

Uma das saídas para enfrentar o déficit do INSS é elevar a idade mínima para se aposentar, pelo fato de que as pessoas estão vivendo mais - o que é ótimo. Isto se aplica tanto aos regimes públicos como privados, por mais diferentes que sejam esses sistemas de aposentadoria.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desenvolveu uma nova tábua atuarial, já aprovada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). Serão recalculados os benefícios dos futuros aposentados em relação à perspectiva de vida. Os seguradores têm de levar a longevidade a sério para que os fundos não corram o risco de insolvência futura.

Sem mudanças desse tipo no INSS, o déficit previdenciário tenderá a se agravar, sobretudo no longo prazo. Nos fundos de pensão há solução óbvia: os participantes terão de aumentar as contribuições ou esperar mais tempo pelo benefício.

Passadas as eleições, o sucessor de Lula não poderá fazer de conta que o déficit do INSS não é com ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.