Olivier Douliery/Pool via AP
Olivier Douliery/Pool via AP

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

O debate dos EUA ganhou um novo público no Twitch

Plataforma de jogos da Amazon coloca ‘gamers’ para comentar política em estilo ‘sincerão’ e bem diferente do visto na TV

The New York Times, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 05h00

Os espectadores da TV a cabo americana se depararam com um momento exótico na última terça-feira, quando, questionada sobre a qualidade do debate entre os presidenciáveis dos EUA, a analista Dana Bash respondeu com um palavrão. Para os que assistiam ao debate no Twitch, no entanto, o comentário iria passar despercebido.

Isso porque análises picantes e bastante sinceras dominaram as discussões sobre o evento na plataforma digital da Amazon. Os comentaristas de webcam do Twitch atraem um séquito de servidores por sua habilidade de entreter enquanto exibem pela internet maratonas deles mesmos jogando games como o Fortnite.

Centenas de milhares de pessoas assistiram ao debate na companhia de personalidades do Twitch, entre elas Mizkif e xQcOW. Com fones de ouvido equipados com microfones, esses “anfitriões” se posicionaram em frente a telas exibindo o embate de 90 minutos entre o presidente Donald Trump e seu adversário democrata, Joe Biden. Desta vez, nada de League of Legends.

Os títulos que essas estrelas dos games deram a suas “lives” evidenciaram bem o tom da noite. Um deles, conhecido como Valdudes, chamou sua transmissão de algo como “Debate Presidencial da Vergonha Alheia”. O podcast Chapo Trap House nomeou a transmissão de “Duelo ao Pôr do Sol 2020”.

Enquanto Trump e Biden interrompiam um ao outro, comentaristas de webcam se enfureciam e disparavam comentários rudes. Os fãs respondiam por meio de um chat ao vivo que podia ser acompanhado na tela.

Mizkif, que na realidade se chama Matthew Rinaudo e tem 640 mil seguidores do Twitch, confessou que nada sabe de política. “Sou um idiota”, disse. Sua principal análise sobre Biden foi: “Ui, ele é tão entediante. Ele precisa falar como youtuber. Trump sabe como falar como youtuber.”

Os usuários do Twitch estão acostumados a verbalizar suas reações viscerais em narrações de games – e aproveitaram o debate para levar seu estilo “assista e ofenda” ao campo político.

Shaun Hutchinson, que é conhecido apenas como Hutch, tem 350 mil seguidores na plataforma e é conhecido por jogar games violentos como Call of Duty, ocasionalmente gritou para os candidatos. “Você tem de interrompê-lo!”, urrou, gesticulando com um garfo na mão. Em outro ponto, infeliz com a condução do moderador Chris Wallace, berrou: “Modere!”

Os analistas de sofá de outros canais do Twitch comeram pizza, fumaram ou beberam cerveja enquanto falavam. O canal Chapo Trap House, com quase 63 mil seguidores, afirmou que ver o debate era como “assistir a um filme legendado quando se está bêbado”.

Hasan Piker, um comentarista que se denomina HasanAbi no Twitch, concentrou 125 mil espectadores em sua live em determinado momento do debate. Quando Trump acusou a mídia de dar preferência a Biden, disse: “O que eu tinha falado, gente? Ele está literalmente tocando na mesma tecla durante toda a campanha. Ele só repete o mesmo argumento.”

Novas vozes

O Twitch tentou recrutar alguns não jogadores de games em uma tentativa de se posicionar como um hub de discussão de cultura, culinária, política e outros assuntos. A plataforma da Amazon chegou a 5 bilhões de minutos assistidos no segundo trimestre de 2020, um avanço de 83% em 12 meses, segundo o Streamlabs.

Cerca de 52 mil pessoas seguem o “twitcher” David Pakman, um dos poucos a exibir estilo mais contido durante o debate. Na maior do tempo, ele escutou enquanto os candidatos gritavam um com o outro. Por volta das 22h, ainda com meia hora pela frente, ele parecia pronto para desistir. “Essa é a queda da democracia americana, gente”, disse ele. “Eu realmente deveria desligar a TV. Isso é triste.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.