Soraya Ursine/Estadão
Soraya Ursine/Estadão

O desafio do filho de Murdoch à frente da Fox

James Murdoch, que assume o grupo em julho, diz que publicidade vai diminuir

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 22h50

CANNES - Filho do magnata da mídia e comunicação Rupert Murdoch, do império 21st Century Fox, James Murdoch estreia na função de presidente do grupo em julho com a missão de guiar os conteúdos de TV e cinema - com as marcas Fox, Fox News, FX e National Geographic, entre outras - em um futuro em que o consumidor estará muito menos disposto a ser interrompido por intervalos comerciais e consumirá os conteúdos, como filmes, séries, esportes e notícias, em vídeos exibidos pela internet. 

“O streaming é muito melhor para os clientes, produtoras de conteúdo e anunciantes. Mas ele exige uma inovação no produto”, disse o executivo nesta quinta-feira, durante painel no Cannes Lions - Festival Internacional de Criatividade. Segundo Murdoch, o grande desafio atual é substituir o velho intervalo comercial - que ainda continua a “reinar” no mundo da TV a cabo - por outros formatos. 

Além de ser dona de estúdios de cinema e de vários canais de TV por assinatura, a 21st Century Fox também é sócia do serviço Hulu, um concorrente do Netflix nos Estados Unidos, e também da Sky Go, que permite o consumo online da programação de TV digital.

O novo presidente da Fox afirmou que a tendência do consumo de conteúdo em vídeo é um “meio do caminho” entre os dois formatos disponíveis hoje: o da TV tradicional, recheado por uma grande quantidade de intervalos comerciais, e o sem publicidade, como o Netflix. 

Ele explicou que, como o consumo será feito em várias plataformas, o cliente poderá concordar em assistir a uma publicidade no celular, enquanto está no metrô a caminho de casa, em troca de algumas horas de programação sem comerciais no PC ou televisor. A tendência é que o mercado substitua a quantidade de anúncios por um engajamento maior.

Do ponto de vista da programação de streaming, o desafio para manter os preços em baixa, afirma Murdoch, é a definição de pacotes - como já fazem há anos as TVs por assinatura. Em vez de pagar para não ver a publicidade, como ocorre hoje com o Netflix, o consumidor poderá estar disposto a ver anúncios para reduzir seu gasto para consumir o conteúdo.

“O que o Netflix nos ensinou é que não havia a quantidade necessária de inovação entre as operadoras de TV por satélite nos EUA”, admitiu Murdoch. Ele diz, no entanto, que agora o mundo do streaming ficará mais competitivo, já que o mercado todo está migrando para este formato, como HBO, CBS e Apple TV. Isso poderá abrir espaço para diferentes relações com os clientes, disse. Murdoch.

De olho nesses novos formatos de publicidade, a Fox comprou por US$ 200 milhões uma empresa de mídia digital, a True X, cujo objetivo é “casar” conteúdos de marcas com os gostos dos consumidores. “O grande desafio é reduzir a quantidade de desperdício no sistema”, disse Murdoch, referindo-se aos anúncios de interesse geral, que ainda dominam o mercado.

Qualidade. Sobre a qualidade de seu canal de notícias, a Fox News, conhecido pela aberta defesa do Partido Republicano, James Murdoch afirmou que “não deixa suas opiniões políticas influenciarem seus negócios”. “A Fox News é um negócio incrível e é líder em notícias da TV a cabo (dos EUA).” 

De acordo com o executivo, a Fox News mostrou que nunca se deve superestimar o status quo. “Quando abrimos (a emissora), ninguém poderia imaginar que um dia superaríamos a CNN”, afirmou. Murdoch afirmou ainda que a linha editorial “respeita o consumidor” da empresa. 

Tudo o que sabemos sobre:
cannes lionsmurdochfox

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.