coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

O dólar volta ao centro do debate econômico

O dólar comercial é um preço-chave da economia. Chegou a valer, ontem à tarde, R$ 2,11, alta de 1,8% em relação a terça-feira e de mais de 5% em relação a abril. O governo vinha se abstendo de intervir no câmbio, o que favoreceu a alta num momento em que a economia norte-americana dá sinais de vitalidade e o dólar se fortalece como moeda de reserva (apesar da instabilidade dos últimos dois dias). É usual que os países atuem no mercado de câmbio, mas apenas para evitar grandes oscilações, com expressivos ganhos - ou perdas - para bancos e empresas.

O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2013 | 02h01

Mas, no Brasil, o governo parece tratar a taxa de câmbio como preço administrável. É um equívoco que leva a riscos desnecessários.

A escalada altista do dólar atende à atividade de exportação, cujos resultados são ruins (o déficit comercial acumulado até 24 de maio foi de US$ 4,6 bilhões). Assessores informais do governo acreditam que o valor (baixo) do dólar é o principal problema da economia brasileira. Uma desvalorização acentuada do real permitiria desestimular as importações e remover pressões imediatas sobre o balanço de contas correntes, cujo déficit já atingiu a marca crítica de 3% do PIB.

Estimulando exportações, um dólar valorizado ajudaria, ainda, a fortalecer o PIB, cujos resultados, no primeiro trimestre, foram medíocres, inclusive pela queda das exportações (na ótica da demanda, as exportações caíram 5,7% entre os primeiros trimestres de 2012 e 2013) e a alta de importações.

Mas uma valorização mais acentuada do dólar terá efeitos negativos na economia brasileira, elevando a pressão inflacionária e piorando os balanços dos devedores em dólar, além de mexer no salário real.

A política econômica poderá se tornar mais desarticulada se o governo insistir em objetivos conflitantes - política fiscal frouxa, inflação controlada por medidas administrativas, crescimento mínimo do PIB de 2,7%, benefícios tributários para categorias escolhidas e crédito farto dos bancos públicos.

A prioridade seria uma política econômica convencional, respeitando as metas fiscais e monetárias e atuando no câmbio apenas para evitar oscilações bruscas. A comunicação sobre as políticas essenciais (câmbio e juros) deve ser cuidadosa, evitando boatos que só servem para operadores financeiros. A cotação do dólar está ligada à solidez das contas externas. Não se escapa disso, por mais que se pense que o governo pode determinar o câmbio.

Tudo o que sabemos sobre:
editorial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.