finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

O etanol precisa de um horizonte estratégico

No início deste mês, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) informava que o preço do litro do etanol, que deve corresponder a 70% do da gasolina, estava abaixo desse porcentual em dez Estados e no Distrito Federal, mas acima disso em outras 16 unidades da Federação. Como resultado, neste ano, somente 23% dos donos de carros flex abasteceram com etanol hidratado, um forte retrocesso em relação a 2009, quando 66% desses carros consumiram esse tipo de combustível renovável e mais limpo.

O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2013 | 02h12

Segundo a gerente de Planejamento de Marketing de Combustíveis da Petrobrás, Rosane Lodi, a participação do etanol no consumo interno caiu abaixo dos níveis alcançados antes da popularização dos carros bicombustíveis no País. Com a introdução dos "flex", a partir de 2003, a indústria automotiva passou a produzi-los em escala crescente, acompanhando o crescimento do consumo. E ainda hoje cerca de 90% dos automóveis aqui fabricados são "flex", e a frota nacional já é superior a 20 milhões de unidades, segundo a Anfavea.

A demanda externa por etanol tem flutuado, mas este ano, graças a uma boa safra de cana e à desvalorização do real, as exportações do produto alcançaram US$ 1,492 bilhão de janeiro a setembro, uma expansão de 12,34% em relação ao mesmo período do 2012. Isso tem amenizado a situação de algumas empresas, mas o volume das vendas externas está muito longe de tornar o etanol uma commodity, como os produtores previam há alguns anos.

Na realidade, o setor vive hoje sem horizonte estratégico. Nos últimos dois anos, 57 usinas fecharam e apenas 2 entraram em funcionamento. Segundo o diretor da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Antonio de Pádua Rodrigues, além da perda do etanol no mercado interno, o que mais preocupa é a falta de previsibilidade nos preços, o que inibe diretamente os investimentos. Muito incentivados em passado recente, pelo avanço dos carros "flex" e da mistura do etanol anidro à gasolina na proporção de 25%, estão agora sem perspectivas.

A médio prazo, a única perspectiva favorável seria um reajuste dos preços da gasolina e do diesel para o consumidor. Já foi anunciada a possibilidade de reajuste automático dos combustíveis - o chamado "gatilho". Duvida-se, porém, de que, às vésperas de um ano eleitoral e sob pressão da inflação, haja disposição no governo para criar fatos que animem os investidores em etanol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.