O fim das mochilas pesadas

Quando trabalhavam na Bain & Company, Felipe Rezende e Carlos Grieco receberam a missão de pesquisar as opções de conteúdo educacional que poderiam ser adotadas nos notebooks do projeto "Um Computador por Aluno" do governo federal. "Vimos que havia material de qualidade ruim e de preço elevado", conta Rezende. Aí surgiu a ideia de montar uma editora digital para produzir conteúdo interativo em 3D para tablets e PCs. O modelo de negócio conquistou os investidores conhecidos por serem os primeiros a colocar dinheiro no Buscapé. Cerca de R$ 10 milhões foram investidos na Evobooks até agora. A empresa atende mais de 2 mil escolas e esperar faturar R$ 20 milhões em 2014.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.