Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O futuro da tecnologia

Como será o mundo daqui 50 anos? A maioria dos americanos acha que teremos órgãos do corpo humano criados em laboratório, para transplantes, e que computadores serão capazes de escrever romances, compor músicas e criar outras obras de arte tão bem quanto pessoas, segundo uma pesquisa divulgada semana passada pelo Pew Research Center.

RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2014 | 02h09

Para a maioria dos pesquisados, no entanto, o futuro parece bem diferente daquele imaginado por empresas como Google, Facebook e Amazon. Pelo menos no que diz respeito aos aviões-robôs também conhecidos como drones. Essas gigantes do mercado de tecnologia têm investido para que, num futuro próximo, os drones sobrevoem os céus fazendo entregas de produtos, levando conexão de internet a locais em que ela não existe e coletando informações.

Acontece que 63% disseram ser contra a abertura da maior parte do espaço aéreo americano para drones comerciais e pessoais. Os aviões-robôs - que começaram a ganhar evidência ao serem usados militarmente pelos EUA no Iraque e no Afeganistão - são uma das áreas mais quentes da tecnologia hoje. Como disse uma amiga, que inveja do aviãozinho que virou drone.

Dois terços dos entrevistados pelo Pew Research Center consideram ruim a possibilidade de os pais alterarem a genética dos filhos para que eles se tornem mais inteligentes, saudáveis ou atléticos. A mesma fatia da população considera negativo que robôs passem a fazer a maior parte do trabalho de cuidar de idosos e de doentes.

A pesquisa também trouxe uma má notícia para os óculos Google Glass e outros computadores vestíveis. Cinquenta e três por cento dos entrevistados consideram negativo o uso de implantes ou outros equipamentos que mostram constantemente informações sobre o mundo ao redor. Mas, na prática, isso já não acontece com os smartphones que já temos hoje? E a forma como usamos os celulares inteligentes em público, deixando de interagir com as pessoas em volta, talvez seja a origem dessa imagem ruim dos equipamentos de vestir?

Quando foram perguntados sobre quais novas tecnologias queriam ter, 19% escolheram novas formas de transporte, que incluem carros e bicicletas voadoras, naves espaciais pessoais e máquinas de teletransporte.

O teletransporte se fixou na cabeça das pessoas principalmente por causa do seriado Jornada nas Estrelas. Era muito caro gerar os efeitos especiais para mostrar a aterrissagem e a decolagem da nave Enterprise nos planetas visitados a cada episódio. Por isso, a solução foi criar uma máquina de teletransporte, já que o único efeito necessário era mostrar os corpos dos personagens desaparecendo aos poucos na nave e reaparecendo depois em terra.

Me leve para cima, Scotty.

Tudo o que sabemos sobre:
RENATO CRUZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.