Giovanna Nucci/Domo Invest
Giovanna Nucci/Domo Invest

‘O importante é acertar grande e errar pouco para ganhar acima de 30%’

Para Gonçalves, 'o ambiente nunca esteve tão favorável'

Entrevista com

Marcello Gonçalves, sócio da Domo Invest

Renée Pereira, Impresso

04 de novembro de 2019 | 05h00

O surgimento dos primeiros unicórnios – empresas que alcançam US$ 1 bilhão em valor de mercado – brasileiros tem dado impulso importante para as startups, que estão atraindo capital do mundo inteiro por meio dos fundos de investimentos. “O ambiente nunca esteve tão favorável”, diz Marcello Gonçalves, sócio da gestora Domo Invest, que tem dois fundos de venture capital, 11 startups investidas e 13 em negociação. A empresa está em fase de lançamento de um novo fundo de R$ 150 milhões.

Como está o ambiente para investir em startups no Brasil?

O ambiente nunca esteve tão favorável. O amadurecimento do mercado de venture capital com aumento crescente no volume de investimentos e o aparecimento dos primeiros “unicórnios” nacionais têm incentivado mais pessoas a empreenderem de maneira organizada e buscarem financiamento com fundos, o que abre boas oportunidades tanto para investidores como para boas ideias.

Quantos fundos a Domo Invest tem?

Atualmente a Domo Invest é gestora de dois fundos. O Domo Ventures, com montante de R$ 100 milhões, já investiu em 11 startups e chegará a 20 investimentos nos segmentos B2C (venda direta para o consumidor) e B2B2C (conceito de vendas pela internet que inclui toda a cadeia comercial, desde a indústria até o consumidor final). O Domo Anjo Coinvestimento, que tem o BNDES como investidor-âncora, deve atingir R$ 120 milhões e investir em cerca de 150 empresas. Também estamos em fase de lançamento e captação do Domo Enterprise, fundo de R$ 150 milhões que vai investir em startups do segmento B2B (vendas para empresas).

Existe algum índice de assertividade nos investimentos em startup?

Esse é um negócio de risco no qual temos de acertar mais do que errar, pois é natural que algumas startups não cheguem lá. Dessa forma, o importante é acertar grande e errar pouco para que o fundo apresente taxas de retorno acima de 30% ao ano.

De que forma a taxa de juros tem influenciado na indústria de fundos de venture capital?

A queda na taxa de juros incentiva a busca por novas opções de investimento que ofereçam maiores possibilidades de retorno e, por consequência, maior risco. Com isso, estamos sentindo aumento na demanda por parte desses investidores, representados por family offices, wealth managers, fundações e empresas interessadas em inovação, além de investidores profissionais.

Quais áreas a Domo Invest prefere investir?

Negócios ligados ao B2C e B2B, independentemente do setor. 

Tudo o que sabemos sobre:
Domo Invest

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.