mercado

Via Varejo anuncia nova oferta de ações que pode movimentar até R$ 4 bilhões

O maior perigo para o bem-estar no Brasil

O modo de aplicação da economia convencional não ajudou a resolver o dilema entre crescimento e clima

Vinod Thomas, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 04h00

A política econômica atual no Brasil, assim como nos EUA, considera de forma errônea as ações climáticas e a proteção ambiental como hostis ao crescimento econômico. Mas a verdade é exatamente o oposto. A destruição ecológica acelera o passo das mudanças climáticas, que representam o maior perigo para o crescimento econômico e o bem-estar social. Para protegê-los, especialmente as maiores economias do mundo, como China, EUA, Índia e Brasil, deveriam admitir essa realidade e se descarbonizar.

Os cientistas não poderiam ser mais claros sobre a devastação das florestas tropicais, o derretimento das geleiras e o aquecimento global. Mas os sinais vitais estão indo na direção errada. O dióxido de carbono na atmosfera atingiu o perigoso nível global de 415 partes por milhão, pois os principais emissores, China, EUA, Índia e Brasil, estão aumentando suas contribuições. Este ano, setembro foi o mês mais quente registrado no mundo, e uma onda de calor afetou a maior parte do Brasil com temperaturas acima de 40ºC.

O modo de aplicação da economia convencional não ajudou a resolver o dilema entre crescimento e clima. A literatura econômica trata as emissões de dióxido de carbono pelas usinas de energia como “externalidades” ou efeitos colaterais, que por sua vez prejudicam a saúde das pessoas e agravam o aquecimento global. Mas esses efeitos não têm sido parte integral da análise do crescimento. Ao contrário, a economia do crescimento tem sido utilizada de forma incorreta para justificar a desregulamentação ambiental, que incentiva o desmatamento e as queimadas, como na Amazônia brasileira, prejudicando a saúde e reduzindo o crescimento.

Neste momento, em que é necessária maior proteção ambiental, EUA, Índia e Brasil estão na direção errada. Nos EUA, a mudança dos padrões para usinas de energia e automóveis aumentará as emissões de gases do efeito estufa. Na Índia, o enfraquecimento das políticas sociais prejudica a saúde das pessoas. E, no Brasil, a queima da maior floresta tropical do mundo é uma catástrofe ecológica, num país que possui de longe o maior capital natural e tem muito a perder com a sua destruição.

No Brasil, a atenção com o clima tem duas vertentes. Por um lado, o País está entre os mais vulneráveis aos desastres climáticos. Nesta década, houve um aumento de eventos como secas prolongadas e extremos de enchentes e desabamentos com vítimas fatais em diversas cidades. A desregulamentação ambiental e o mau uso da terra tornam o Brasil mais propenso aos crescentes desastres climáticos.

Por outro lado, como 7.º maior emissor de gases do efeito estufa, o Brasil também é parte do problema climático global. Apesar de signatário do Acordo de Paris, o governo adotou medidas que enfraquecem o marco institucional e legal e o combate ao desmatamento e a outras infrações ambientais. Mudanças recentes também reduzem a participação da sociedade civil, como os grupos de defesa do meio ambiente, na formulação de políticas e de sua fiscalização.

Levando em conta o enorme protagonismo do Brasil no perigoso direcionamento climático, o País tem todas as credenciais para liderar a ação climática global. Em seu próprio interesse, uma dupla abordagem seria mais benéfica: restabelecer a proteção ambiental e a ação climática, impedindo a desregulamentação que estimula a queima da Floresta Amazônica, e ajudar na mobilização de ações climáticas nos EUA, na China, Índia e outras nações.

Talvez já seja tarde demais para reverter a crise climática. Mas, no mínimo, Brasil, China, Índia e EUA ainda podem participar de uma possível solução, ao invés de empurrar o mundo para o ponto de inflexão. Ideal seria o Brasil liderar a proteção ambiental e as ações climáticas necessárias ao crescimento econômico local e global.

*PH.D. EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE DE CHICAGO, AUTOR DE ‘O BRASIL VISTO POR DENTRO’, FOI VICE PRESIDENTE SÊNIOR DO BANCO MUNDIAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.