Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

''O mercado está ruim, porque muitas granjas quebraram''

Os baixos preços dos grãos estão levando os agricultores a optarem por culturas de menor custo de produção na safra que começa a ser plantada este mês no Estado de São Paulo. No sudoeste paulista, o milho vai ceder espaço para a soja, que tem produtividade menor por hectare, mas custa menos para formar a lavoura. Um hectare de milho produz média de 120 sacas de 60 kg e tem custo entre R$ 1,8 mil e R$ 2 mil para o produtor. Já a soja rende média de 53 saca/ha, mas custa entre R$ 1,2 mil e R$ 1,5 mil. A saca de milho fechou a semana cotada a R$ 17 para o produtor, enquanto a soja estava a R$ 43.Na região de Itapeva, de acordo com estimativa da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado, a área do milho vai cair de 95 mil hectares, na safra passada, para 71 mil hectares nesta. Já o plantio da soja deve ampliar de 67 para 84 mil hectares. De acordo com o agrônomo Vandir Daniel da Silva, técnico da Secretaria, a migração só não será maior porque os produtores precisam observar a rotação de culturas."Quem vem plantando soja precisa trocar a lavoura por uma gramínea, como o milho."O produtor Roberto Fay, de Itapeva, já descartou o plantio desse grão. Na safra passada, ele cultivou 85 hectares com milho e, mesmo colhendo 125 sacas por hectare, teve prejuízo de R$ 15 mil. Agora, toda a área disponível, de quase 400 hectares, será plantada com soja. "Serei obrigado a desmontar meu esquema de rotação de culturas", disse. O produtor Maurício Fernandes Dias, de Taquarivaí, com área cultivada de 2,5 mil hectares, vai destinar 60% para a soja e 40% para o milho. Ele ainda tem 120 mil sacas de milho em estoque e enfrenta dificuldade na venda do produto. "O mercado está ruim, pois muitas granjas quebraram. E as exportações não decolam."A safra atual, segundo Dias, será plantada com um custo entre 10% e 15% menor para a formação da lavoura. Já a oferta de crédito é maior, o que considera um dado positivo. "Contra o preço baixo, prefiro investir na produtividade."Num movimento contrário à tendência geral, o agricultor Diogo Yoshio Oi, de Itapetininga, vai aumentar em 10% a área com milho - o cultivo da soja será reduzido na mesma proporção. Na safra passada, 60% da área de verão foi cultivada com soja, os outros 40% com milho. "Este ano será meio a meio."O plantio do milho já começou. Enquanto espera as chuvas, Oi utiliza os pivôs de irrigação. Ele acredita que a soja não vai segurar os preços no patamar atual e aposta na alta produtividade do milho na região para compensar a baixa cotação. Por isso, não vai economizar fertilizante. "Temos de usar toda tecnologia disponível."O agricultor conta que este foi um ano difícil para o setor. "Plantamos com os insumos caros e colhemos com dólar barato e preços baixos. Agora, pelo menos, vamos fazer a semeadura pagando menos pelo adubo."Não bastasse o preço baixo dos grãos, os agricultores paulistas enfrentam perdas no trigo por causa do tempo. O excesso de chuvas em julho aumentou a incidência de doenças fúngicas, como a brusone.

José Maria Tomazela, ITAPETININGA, O Estadao de S.Paulo

15 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.