DIDA SAMPAIO | ESTADAO | ESTADAO CONTEUDO
DIDA SAMPAIO | ESTADAO | ESTADAO CONTEUDO

entrevista

E-Investidor: "Juro baixo tira o dinheiro dos rentistas e leva para as empresas", diz CEO da Valora

O ministro pixuleco

Há alguns dias o boneco pixuleco desfilou onde houve manifestações; Agora o personagem do desabafo popular está na Casa Civil

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2016 | 21h00

É outro governo e não deve ser a mesma política econômica. Não há nenhuma garantia de que este governo pare em pé, especialmente depois da revelação das gravações do diálogo entre a presidente Dilma e o agora ministro Lula. Também não dá para dizer que a política econômica pare em pé. Mas convém examiná-la.

O que vai ser esse filme fica para quando se souber, não por meio de discursos e entrevistas, mas por decisões impostas pela prática. Lula, o novo primeiro-ministro, como ficou dito aqui na edição de terça-feira, tem três opções à sua disposição.

A primeira delas é manter com algumas variações o que está aí, com as autoridades da política econômica disponíveis. Com isso já estaria se desdizendo, porque pregou drástica virada à esquerda. Mais ainda, estaria mantendo a encalacrada.

A segunda opção é a da cartilha do PT e a das atrocidades econômicas que estão no último documento do partido, O futuro está na retomada das mudanças. Se for por aí, tentará queimar reservas, derrubar intempestivamente os juros, aumentar as despesas públicas, puxar pelo crédito subsidiado e deixar as reformas para o Dia de São Nunca. O resultado desse arranjo tenderia a ser novo desastre.

A terceira opção é a conhecida receita do violinista, consagrada pelo presidente da França François Mitterrand: é segurar com a esquerda e tocar com a direita. Seria sustentar um discurso populista, mas, na prática, reeditar o conteúdo da Carta ao Povo Brasileiro, de 2002, que se comprometeu a levar os juros e o superávit primário para onde tiverem de ir para derrubar a inflação e sanear as contas públicas.

É o arranjo que pretenderia recuperar a confiança das forças produtivas e, com base nesse astral, puxar pelo aumento da produção. Mas, depois de tudo o que aconteceu, é duvidoso que o governo Lula-Dilma conquiste credibilidade para rodar esse enredo.

A questão de fundo é a de que o ex-presidente Lula foi para o ministério não para recuperar a economia, mas para tentar evitar o impeachment. A política econômica faz parte, sim, desse script, mas não das primeiras cenas.

A primeira tarefa do ministro Lula, em que colocará toda sua energia, será evitar a debandada do PMDB (veja o Confira). A segunda é apagar os incêndios provocados pela Operação Lava Jato e pelas delações premiadas. E só então, com a energia que lhe sobrar, arrumar a economia.

De tudo isso, salta uma fieira de dúvidas e de incertezas, que começa com estas: Qual será o nível de composição entre a presidente Dilma, agora desidratada – mas ainda a bordo de uma caneta poderosa – e esse superministro Lula, desacostumado a pedir licença? Como a percepção geral é a de que Lula foi para o ministério para fugir de Sérgio Moro e contar com a suposta maior benevolência do Supremo, qual será, na prática, a resposta das instituições de Estado assim desafiadas – do Ministério Público, da Magistratura e do próprio Supremo? O que acontecerá com essa aposta do tudo ou nada se o processo de impeachment ficar inevitável?

Há apenas cinco dias o boneco pixuleco desfilou onde houve manifestações. Agora o personagem do desabafo popular está na Casa Civil.

CONFIRA:

O sexto dia

No último sábado, o PMDB assumiu o compromisso em convenção nacional de que nenhum de seus membros aceitaria cargo no governo federal no período de 30 dias a partir daquela data. Seis dias depois, o deputado federal do PMDB mineiro Mauro Lopes aceitou sem vacilação a chefia do Ministério da Aviação Civil.

Claro que sim

O PMBD não nega suas bênçãos. Antes de aceitar a nomeação para a chefia da Casa Civil, o ex-presidente Lula consultou o presidente do Senado, o peemedebista, Renan Calheiros. E este também não vacilou. Declarou seu apoio integral ao novo ministro e lhe desejou sucesso.

Questão de fisiologia

Duas conclusões: (1) Certos políticos do PMDB não conferem nenhum valor especial às decisões tomadas em convenção nacional; (2) da mesma forma que se dispõem a quebrar suas juras, serão capazes de retomar as que quebraram, desde que as novas condições lhes convenham. São as leis da fisiologia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.