Imagem José Roberto Mendonça de Barros
Colunista
José Roberto Mendonça de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O mundo está mais para os pessimistas

Discurso do presidente do Fed não deu sinais de corte acentuado dos juros

José Roberto Mendonça de Barros, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2019 | 05h00

Em meados de julho passado, o título de minha coluna foi “O mundo entre otimistas e pessimistas”. 

Lá foi dito que o futuro depende, essencialmente, dos rumos da economia dos Estados Unidos, o maior e o único país rico a crescer bem neste ano. Existem dois pontos a considerar:

1)    “A política agressiva e errática do presidente Trump vem elevando a incerteza e as tensões por causa das inúmeras disputas comerciais e dos atritos em regiões sensíveis, como no Oriente Médio. Entretanto, o conflito mais relevante segue sendo com a China, pois vai muito além do comércio...”

“... Essa disputa ainda vai muito longe e a recente decisão, na reunião do G-20 no Japão, de retomar as negociações sobre tarifas, tem de ser vista como apenas tática...”

2)    “... No curto prazo, a pergunta dos bilhões é o que ocorrerá com a economia americana nos próximos meses. Nesse ponto, há uma clara disputa entre os analistas, que se dividem, como sempre, entre otimistas e pessimistas.

O primeiro grupo argumenta que o crescimento econômico ainda vai continuar robusto por mais algum tempo. Não existe nenhuma pressão inflacionária, o Fed deverá baixar os juros e o consumo continua a crescer.

Os pessimistas, entre os quais me incluo, veem uma reversão do ciclo e uma recessão bem próxima, provavelmente até o primeiro trimestre do próximo ano...”

Entretanto, as últimas semanas mostraram uma evolução que, a meu juízo, elevaram as chances dos pessimistas estarem com a razão. 

Tudo começou com a decisão do Federal Reserve: embora a redução de 25 pontos na taxa de juros básica já fosse amplamente esperada pelo mercado, a declaração de Powell, de que se tratava de um ajuste pontual de meio de ciclo, caiu muito mal. 

A divulgação da ata da reunião nesta semana, apenas mostrou a ampla divisão do colegiado do Fed. 

Logo em seguida, no dia 1.º de agosto, veio uma inesperada decisão de Trump de colocar 10% de impostos de importação, a partir de 1.º de setembro, no remanescente dos produtos chineses importados pelos Estados Unidos e ainda não tarifados. Naturalmente, ficou ainda mais difícil qualquer tipo de acordo comercial no curto prazo. A postergação da incidência do imposto em alguns tipos de produtos, como telefones celulares, até o Natal não altera o efeito deletério da decisão presidencial.

Acentuou-se a inversão da curva de juros, com a ampliação do spread negativo, especialmente, entre o papel de 3 meses e o de 10 anos, que chegou a 0,40%. A maioria dos participantes de mercado leva muito a sério a percepção de que no passado, toda vez que isso ocorreu, sucedeu uma recessão nos meses subsequentes. 

Com tudo isso, os mercados sentiram muito e no dia 5 de agosto, a Bolsa de Nova York caiu quase 3%. 

Acentuou-se a busca por ativos seguros como o ouro, que passou de US$ 1.500,00, franco suíço, iene e, especialmente, a compra de papéis de baixo risco, mesmo com taxas de juros negativas. É extraordinário que se estime que mais de US$ 16 trilhões estejam nessa situação. Em outras palavras, muita gente prefere pagar um preço para não perder mais dinheiro em caso de uma crise. 

E ela não tardou com a piora na situação política em Hong Kong, que se tornou aguda quando, no dia 13 de agosto, manifestantes fecharam o aeroporto da cidade, o que levantou o receio de uma intervenção chinesa. A derrocada de Macri, na Argentina, foi também um pequeno choque.

Finalmente, temos uma piora acentuada na percepção do consumidor e na produção industrial nos Estados Unidos, com o indicador PMI não mais sinalizando crescimento.

Por um momento, um quase pânico tomou conta dos mercados globais.

Embora os otimistas acenem com um bom desempenho do consumo e com a possibilidade de ação do Fed, o discurso de Powell em Jackson Hole não trouxe promessas de redução acentuada de juros, como queria o mercado. Ao contrário, chamou a atenção para os efeitos deletérios da guerra comercial.

Parece-me inequívoco que o mundo está mais para os pessimistas, infelizmente.

* ECONOMISTA E SÓCIO DA MB ASSOCIADOS. ESCREVE QUINZENALMENTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.