‘O pioneirismo foi fundamental para o crescimento da Morana’, diz Jae Ho Lee

Fundador da maior rede de bijuterias finas do País fala sobre a trajetória e o processo de internacionalização da marca

Leticia Bragaglia, do Economia & Negócios,

30 de agosto de 2010 | 07h53

Jae Ho Lee chegou a São Paulo ainda criança, com a família, que fugia dos conflitos políticos vividos pela Coreia do Sul dos anos 1970. Como muitos imigrantes que vieram para o Brasil nessa época, os Lee se estabeleceram no comércio da capital paulista, onde a mãe do empresário abriu uma loja de bijuterias. Anos mais tarde, Lee decidiu ampliar o negócio através do sistema de franquias e criou a Morana, que hoje é a maior rede de bijuterias finas do país.

Com 150 lojas espalhadas pelo Brasil, a marca agora enfrenta o desafio de conquistar o mercado externo. O primeiro passo já foi dado, com a abertura de três lojas na Europa e um showroom em Los Angeles, nos Estados Unidos. Segundo o empresário, o desafio é grande: "O mercado brasileiro é como uma corrida de cem metros e o mercado internacional é como uma maratona. Temos uma longa jornada pela frente, é um processo que deve durar 3 ou 4 anos"

Em entrevista ao Economia & Negócios, Lee afirma que a crise recente não foi um período difícil. "As pessoas deixaram de fazer grandes compras e se voltaram para o varejo, o que beneficiou o nosso negócio."

Casado e pai de duas meninas, Lee divide as funções na empresa com a mulher, o irmão e a cunhada, mas garante que isso não é um problema. "A cultura oriental é bem familiar e hierarquizada, o que minimiza os conflitos na hora de tocar o negócio."

Veja no vídeo abaixo a entrevista completa, na qual o empresário fala também sobre gestão, logística e empreendedorismo.

"O pioneirismo foi fundamental para o crescimento da Morana" 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.