Wilton Júnior|Estadão
Wilton Júnior|Estadão

‘O pré-sal é viável, mesmo com a queda no preço do petróleo’

Diretora de exploração da Petrobrás diz que aempresa renegociacontratos e baixa custos de produção no pré-sal

Entrevista com

Solange Guedes, diretora de Exploração e Produção da Petrobrás

Fernanda Nunes e Antonio Pita / Rio, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2015 | 03h00

Solange Guedes comanda a diretoria de Exploração e Produção da Petrobrás com a dura missão de transformar em dinheiro o projeto do campo de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos. Os recursos serão importantes para a estatal arcar com a maior parte de seu endividamento gigante que vence em 2020. Solange respondeu as perguntas do Estado por e-mail, enquanto participava da reunião do conselho de administração, na sexta-feira.

O barril do petróleo foi negociado a US$ 47,99 na sexta-feira, US$ 3 acima dos US$ 45 estabelecidos pela Petrobrás como marca de viabilidade do pré-sal. O pré-sal continua viável?

O pré-sal é o mais importante negócio da Petrobrás e a mais relevante oportunidade energética que o Brasil dispõe. Ele tem se mantido lucrativo à companhia e com a exploração viável mesmo com a queda do preço no mercado.

Por quê?

Em primeiro lugar, menos de dez anos depois da descoberta do pré-sal, já conseguimos consolidar uma infraestrutura para a exploração dos campos. Com isso, cada investimento adicional se torna cada vez mais competitivo. Em segundo lugar, a Petrobrás tem obtido ganhos de escala. Só no último ano, o custo da produção por barril caiu 11%. Já os custos de construção dos poços, que representam 50% dos investimentos do pré-sal, caíram à metade de 2010 para cá. Estamos aproveitando este momento por que passa o setor para promover a redução dos custos operacionais. A principal estratégia é a renegociação de contratos. Todo o setor está se adaptando à nova realidade de preços.

 

Qual o efeito da queda do preço sobre áreas em produção no pré-sal, como o campo de Lula, e sobre projetos em desenvolvimento, como o campo de Libra?

A Petrobrás mantém 15 plataformas produzindo no pré-sal, todas com excelente desempenho mesmo com o patamar atual de preços. É claro que a queda no valor do barril força a empresa a otimizar ainda mais os seus projetos e a atualizar o seu portfólio de investimentos. É por isso que lançamos um novo plano de negócios, que prioriza as atividades mais rentáveis. Por reunir essas condições, o pré-sal é prioridade nos investimentos. Nosso portfólio de investimentos se mantêm viável e rentável.

Que preço mínimo o Brent deve ter em 2020 para viabilizar o campo de Libra?

Essa é uma informação estratégica, sigilosa para a companhia e seus parceiros na operação. Os movimentos que o mercado global têm feito não indicam risco de inviabilidade da exploração de Libra, até porque estaremos, a cada dia, mais competitivos e eficientes.

Com a revisão de contratos, o ponto de equilíbrio para viabilizar o negócio cai para quanto?

Essa revisão está em curso, não podemos precisar esse número. Mas esse movimento tem ajudado a Petrobrás a aumentar competitividade.

Quanto da dificuldade de caixa passa pela queda do preço do petróleo e da consequente redução da rentabilidade do pré-sal, que já responde pela maior parte da produção da Petrobrás?

Mesmo com a depreciação do barril, o pré-sal se manteve lucrativo. É claro que os preços têm prejudicado as receitas de todas as empresas do setor, mas estamos lidando com isso com disciplina para cortar custos e priorizar investimentos.

Como investir em Libra diante da limitação financeira?

Libra tem um enorme potencial econômico e continua com papel de destaque no nosso plano de investimentos, em parceria com nossos sócios.

Especialistas demonstram incerteza quanto ao novo patamar de preço do petróleo. O que garante à Petrobrás que o pré-sal será viável em 2018/2020?

A Petrobrás monitora de perto a projeção dos preços. Até o momento, nada indica que os preços se comportarão no sentido de inviabilizar a exploração do pré-sal. E a empresa tem aumentado sua eficiência.

O ano de 2020 é também o de vencimento da maior parte das dívidas da empresa. O ganho com Libra é suficiente para que a petroleira dê conta das necessidades financeiras nessa data?

A capacidade de se financiar da Petrobrás não depende de Libra. É uma equação que envolve todas as áreas da companhia. Nosso resultado operacional crescente e sustentável só demonstra o quanto o potencial de geração de receitas a partir da exploração do pré-sal é incontestável.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.