Nelson Antoine/ AP
Nelson Antoine/ AP

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O projeto ou a pele

Hoje se sabe que a política dos dez últimos anos do governo PT (excluído o período Palocci) foi de descalabro fiscal

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2015 | 21h01

Afinal, o que pretendem os companheiros do PT: salvar a pele ou salvar o projeto? - perguntou o ex-presidente Lula na última segunda-feira.

O projeto começou a morrer quando a noção de governança (se é que essa noção havia sido assimilada) começou a derreter a partir das lambanças praticadas pelos companheiros no poder. E começou a derreter quando o governo PT, ainda no período Lula, imaginou que poderia adotar quaisquer políticas na área econômica, sem levar em conta o equilíbrio das contas públicas.

A partir do momento em que assumiu seu cargo no Ministério da Fazenda, Guido Mantega repudiou o que havia aprendido na Universidade de São Paulo (USP) e passou a adotar o que chamou depois de Nova Matriz Macroeconômica. Este foi um arranjo impropriamente inspirado em políticas anticíclicas e na aplicação tosca dos ensinamentos do maior economista do século 20, John Maynard Keynes.

Depois, a partir de imposições da presidente Dilma, desprezou as metas de superávit primário nas contas públicas e o controle do volume de moeda na economia (política de juros). Montou um ativismo baseado na farta distribuição de benesses sociais, na disparada do consumo e no desestímulo ao investimento.

O resultado é o desastre já conhecido: enorme rombo nas contas públicas mal disfarçado com maquiagens, estatísticas e pedaladas fiscais; sucessão de PIBs miseráveis; inflação no nono andar; desidratação da indústria; e aumento do desânimo e da perda de confiança. Compuseram a paisagem, também, o crescimento do corporativismo sindical, a corrupção em escala nunca vista, a corrida às boquinhas ou a corrida “aos cargos e ao emprego”, como disse Lula. E, em seguida, o desvanecimento da utopia e a enorme operação de salvação da própria pele, como também reconheceu o ex-presidente. 

Equilíbrio das contas públicas não é imposição ideológica. É pressuposto para a escolha de quaisquer políticas, seja de direita, de centro, de esquerda ou de outra. Vale não só para  a administração pública, mas para qualquer família ou empresa. Se a opção for beneficiar mais os negócios privados, como se espera de uma orientação neoliberal, é preciso austeridade fiscal; se for dar ênfase às políticas de distribuição de renda e de bem-estar social, como se espera de uma política das esquerdas, também é preciso operar com despesas proporcionais às fontes de receita.

Hoje se sabe que a política dos dez últimos anos do governo PT (excluído o período Palocci) foi de descalabro fiscal. Ao contrário do que pensam algumas pessoas de boa vontade, não há opção ao ajuste fiscal. E ajuste dói e custa caro, econômica e politicamente.

Este é o principal fator que paralisa agora o governo Dilma, que lhe tira a capacidade de conduzir uma agenda política e que espalha insegurança entre trabalhadores e empresários.

Ou, para ficar com as expressões do ex-presidente Lula, é o principal fator que empurrou Dilma e ele próprio para o “volume morto” e o PT, para “abaixo do volume morto”.

CONFIRA:

Aí está a evolução do crédito, tanto no segmento livre como no direcionado.

Não amadureceu

Durante a fortemente esperada entrevista concedida nesta terça-feira, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não avançou sobre a proposta de redução da meta fiscal para este ano, fixada em 1,2% do PIB ou cerca de R$ 66,3 bilhões. Apenas tratou de algumas preliminares e de preparar o terreno para isso. Reconheceu que a situação está difícil e que a arrecadação não ajuda. Mas deixou claro que a proposta de ajuste não pode basear-se no aumento indiscriminado de impostos.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso MingLulaPTajuste econômico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.