Fabrice Coffrini/ AFP
Fabrice Coffrini/ AFP

O que é e quem participa do Fórum Econômico Mundial de Davos?

O encontro, que acontece este ano entre os dias 21 e 24 de janeiro, promete movimentar a Suíça com mais de 3 mil personalidades e o retorno 'triunfal' de Donald Trump

Redação, O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2020 | 18h02

Um dos encontros anuais mais importantes - ao lado da Assembleia Geral das Nações Unidas -, o Fórum Econômico Mundial de Davos é um ponto de encontro entre líderes e grandes personalidades do mundo todo.  Na reunião, que já acontece há 50 anos na cidade suíça, são discutidos os rumos para a economia e a política mundia.

Em 2020, Davos terá como tema principal questões ligadas ao meio ambiente. Um possível reencontro entre o presidente norte-americano Donald Trump e Greta Thunberg, a jovem ativista sueca, algo que não acontece desde setembro, na ONU, deve movimentar o evento.

O que é o Fórum de Davos?

Todos os anos, no fim de janeiro, os principais líderes mundiais viajam para a cidade de Davos, nos Alpes suíços, para participar do Fórum Econômico Mundial, uma fundação sem fins lucrativos criada em 1971, pelo alemão Klaus Schwab, com sede em Genebra. O evento serve essencialmente para que os líderes mundiais ampliem suas redes de contatos, ao mesmo tempo em que discutem temas de interesse econômico, político e social. Além da reunião principal na Suíça, há encontros ao longo do ano no Catar, Chile, Rússia e China

Apesar dos vários eventos simultâneos, o foco principal de Davos é a reunião anual, que em 2020 ocorre entre os dias 21 e 24 de janeiro. Durante os quatro dias de palestras, os presidentes das principais empresas do mundo recebem políticos, artistas, acadêmicos, líderes religiosos, sindicalistas e ativistas de diversas organizações não-governamentais.

Quem participa do Fórum Econômico Mundial de Davos?

Em 2020, Trump vai marcar presença na reunião, após ter faltado em 2019. Quem também vai comparecer ao local é a ativista sueca Greta Thunberg, de 17 anos, eleita a personalidade do ano pela revista Time. Não há previsão de o líder dos EUA e a jovem se encontrarem em algum momento em Davos.

Representando a América Latina, estará o apresentador brasileiro Luciano Huck, que deve falar sobre a crise política do Brasil e da ausência de medidas direcionadas ao combate da desigualdade.

O governador de São Paulo, João Doria, também é esperado no local. Ele quer conseguir firmar pelo menos 20 projetos de privatização e desestatização, o que traria R$ 40 bilhões aos cofres do Estado.

Líderes europeus como Emmanuel MacronAngela Merkel e Boris Johnson, homem à frente do Brexit, confirmaram presença em Davos. Outros 50 chefes de estado também participam do encontro.

Ao todo, o fórum receberá 3 mil pessoas. Desse total, segundo a Bloomberg, 100 são bilionários de altíssima influência, cuja soma das riquezas gira em torno dos US$ 500 bilhões - entre eles, está o fundador da Huawei, Ren Zhengfei. Apenas 33 dos bilionários são dos Estados Unidos, enquanto que outros 19 são da Índia e 7 da Rússia

Quais serão os principais temas discutidos em Davos em 2020?

Pautado pelos últimos acontecimentos ambientais, o fórum deste ano vai focar na sustentabilidade e no clima. “As pessoas estão se revoltando porque acreditam que foram traídas pelas ‘elites’ econômicas, e nossos esforços para manter o aquecimento global em um limite de 1,5°C estão perigosamente lentos”, diz Klaus Schwab em um manifesto.

Nesse sentido, a expectativa é que uma pressão ainda maior seja colocada sobre o governo brasileiro, em relação às queimadas e desmatamento na Amazônia. Trump deve ser novamente questionado sobre a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris e os incêndios da Austrália também devem entrar na pauta.

E com a missão de ser o fórum mais sustentável de toda a história, essa edição de Davos será pautada por sete temas, que serão abordados em sete reuniões diferentes. São eles: 

  • Como salvar o planeta
  • Sociedade e futuro do trabalho
  • Tecnologia para o bem
  • Economias mais justas
  • Melhores negócios
  • Futuros saudáveis
  • Geopolítica mundial

Bolsonaro vai participar do Fórum de Davos 2020?

Com um cancelamento de última hora, Jair Bolsonaro não vai representar o País em Davos. Sem dar muitos detalhes, ele chegou a dizer que o "mundo tem seus problemas, questão de segurança".

O porta-voz da presidência, Otávio Rego Barros, apenas informou que o presidente e sua equipe "observaram uma série de aspectos", dentre os quais estavam questões econômicas, políticas e de segurança. A viagem de Bolsonaro à Índia, entre os dias 24 e 27, também foi apontada como um dos fatores que teriam impedido sua ida ao Fórum.

Quem representará o Brasil em Davos em 2020?

Encarregado de representar o País estará o ministro da Economia, Paulo Guedes, que já disse em entrevistas anteriores que vai até a Suíça para "vender o Brasil". O secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, vai acompanhá-lo na missão.

Em Davos, ambos querem mostrar o amadurecimento da economia brasileira e provar que apesar do calendário atrasado e de alguns erros cometidos, o País segue comprometido com a sua agenda de reformas, já tendo saído da "margem de abismo fiscal", segundo Guedes.

A ideia dos dois representes brasileiros, é conseguir construir uma visão forte o bastante, que ajude a acelerar a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.