Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Veja o que é e como funciona o circuit breaker da Bolsa brasileira

Mecanismo que trava os negócios é acionado quando o principal índice da B3 cai mais de 10%

Redação, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2020 | 11h52
Atualizado 12 de março de 2020 | 14h06

Nesta quinta-feira, 12, seguidas quedas acima de 10% e 15% no Ibovespa em relação ao fechamento da última quarta-feira, 11, levou a Bolsa de Valores de São Paulo a ativar o circuit breaker, medida que interrompe temporariamente o funcionamento da B3.

Esta foi a quarta vez em apenas uma semana que o mecanismo precisou ser acionado na B3. Antes disso, o circuit breaker precisou ser acionado apenas em 18 maio de 2017, no 'Joesley Day' - dia em que se tornou público um áudio de Joesley Batistaum dos dono da JBS. Na mensagem, ele autorizava o então presidente Michel Temer a comprar o silêncio de Eduardo Cunhasobre os esquemas da operação Lava Jato.

No entanto, nesta segunda, o circuit breaker foi ativado por outros motivos: o temor frente ao novo coronavírus tem sua parcela de culpa, porém, pela primeira vez desde a Guerra do Golfo, em 1991, os preços das ações estão sendo afetados diretamente pela queda no preço do petróleo no mercado internacional. Como consequência, as bolsas de Nova York também foram paralisadas por 15 minutos no início do pregão, após o índice S&P 500 cair 7% nos primeiros minutos de negócios.

Veja, logo abaixo, as principais dúvidas relacionadas ao circuit breaker e em quais ocasiões ele já precisou ser ativado:

O que é o circuit breaker?

Quando a Bolsa brasileira tem queda acima de 10% é acionado um mecanismo chamado de circuit breaker, que suspende os negócios.

O mecanismo permite, na ocorrência de movimentos bruscos de mercado, o amortecimento e o rebalanceamento das ordens de compra e de venda. É uma "proteção" à volatilidade excessiva em momentos atípicos de mercado.

Como funciona o circuit breaker?

Quando é acionado pela primeira vez no dia a negociação é suspensa por 30 minutos. Reabertos os negócios, caso a variação do Ibovespa atinja uma oscilação negativa de 15% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os negócios são interrompidos por uma hora.

O mecanismo não é ativado na última meia hora do pregão. Ocorrendo a interrupção dos negócios na penúltima meia hora de negociação, na reabertura das transações, o horário será prorrogado em, no máximo, mais 30 minutos, sem qualquer outra interrupção, de tal forma que se garanta um período final de negociação de 30 minutos corridos.

Em que ocasiões o circuit breaker já foi acionado?

Esta é a 18ª vez que o mecanismo é acionado desde sua adoção em 1997. A última ocasião foi em 18 de maio de 2017, por causa da Delação da JBS.

Em 1997, em meio à crise da Ásia, os negócios foram interrompidos em 7 e 12 de novembro. Um ano depois, 1998, na crise da Rússia, foram cinco interrupção das operações por baixa de 10%, sendo que no dia 10 de setembro o mecanismo foi acionado duas vezes.

Outras três paralisações do pregão foram em 21 de agosto e 4 e 17 de setembro. Depois, novas interrupções ocorreram na crise cambial brasileira, em 1999, quando em 13 e 14 de janeiro o circuit breaker voltou a ser acionado.

Depois de 1999, o mecanismo só voltou a ser acionado em 2008, período marcado pela crise do sistema financeiro que se instalou nos Estados Unidos após o pedido de concordata do banco Lehman Brothers. Naquele ano, o pregão da Bovespa foi interrompido seis vezes, sendo a primeira em 29 de setembro e as outras cinco em outubro, no dia 6 (parou duas vezes), depois nos dias 19, 15 e 22.

Veja todas as vezes em que o circuit breaker já foi acionado na Bolsa de São Paulo:

Confira na lista, logo abaixo, todas as ocasiões em que o circuit breaker precisou ser acionado, junto com os motivos que fizeram a Bolsa interromper suas atividades:

  • 28 Outubro 1997: Crise na Ásia 
  • 7 Novembro 1997: Crise na Ásia 
  • 12 Novembro 1997: Crise na Ásia 
  • 21 Agosto 1998: Crise na Rússia 
  • 4 Setembro 1998: Crise na Rússia 
  • 10 Setembro 1998: Crise na Rússia 
  • 10 Setembro 1998: Crise na Rússia 
  • 17 Setembro 1998: Crise na Rússia 
  • 13 Janeiro 1999: Desvalorização do real 
  • 14 Janeiro 1999: Desvalorização do real 
  • 29 Setembro 2008: Crise global 
  • 6 Outubro 2008: Crise global 
  • 6 Outubro 2008: Crise global 
  • 10 Outubro 2008: Crise global 
  • 15 Outubro 2008: Crise global 
  • 22 Outubro 2008: Crise global 
  • 18 Maio 2017: Delação da JBS 
  • 9 de Março de 2020: Crise global de coronavírus e crise do petróleo entre Rússsia e Arábia Saudita
  • 11 de Março de 2020: Crise global de coronavírus
  • 12 de Março de 2020: Crise global de coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.