O que fazer com o dinheiro do IR

A correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) vai deixar mais dinheiro no bolso dos brasileiros. Os contribuintes que têm renda líquida entre R$ 900 e R$ 1.800, por exemplo, vão deixar de pagar até R$ 23,70 de IR por mês. Essa é a diferença entre o desconto atual do IR e o que será pago com a tabela corrigida em 17,5%, que foi aprovada segunda-feira pelo Senado e depende da sanção do presidente Fernando Henrique Cardoso para vigorar. Anualmente, esses contribuintes economizarão R$ 284, o suficiente para comprar um aparelho de CD portátil. Parte desses contribuintes, com renda de até R$ 1.058, passará a ser isenta e outra parcela terá deduções maiores. O webdesigner Ricardo Argenton, 23 anos, está na categoria beneficiada pelas novas deduções. Com salário bruto de R$ 1,5 mil, ele paga atualmente R$ 66,40 de IR por mês. O valor é calculado com a aplicação da alíquota de 15%, descontando-se R$ 135 da dedução. Com a correção da tabela, o valor a ser deduzido aumenta para R$ 158,70. Por isso, o IR passará a ser de R$ 42,70 por mês. "Eu não prestava atenção para quanto estava pagando de imposto", conta Argenton. Após fazer as contas de quanto pode economizar no ano que vem, o webdesigner avalia como aproveitar o dinheiro. Para quem ganha acima de R$ 2.116, a alíquota que incide do IR é de 27,5% e a diferença entre a tabela atual e a corrigida pode garantir a compra de bens mais caros. A economia mensal para quem está nesta faixa de renda será de R$ 63,20. Ao ano, são R$ 758,40 - o suficiente para comprar uma máquina de lavar com capacidade de 5 kg ou uma geladeira de 320 litros, que custam perto de R$ 700. A diferença também foi causada pela mudança nos valores a serem deduzidos. Ao invés dos atuais R$ 360, os contribuintes taxados em 27,5% poderão descontar R$ 423,20 do IR devido. Existe uma faixa de renda intermediária, entre R$ 1.800 e R$ 2.116, que deixará de pagar o IR com alíquota de 27,5% e passará a ter o imposto calculado com porcentual de 15%. Para esses contribuintes, a economia mensal varia entre R$ 23,70, para a menor renda, até R$ 63. Aplicação da diferença varia com renda De acordo com o economista Claudemir Galvani, professor da PUC-SP, o dinheiro que o governo deixa de arrecadar com o IR depois da correção da tabela, cerca de R$ 2,6 bilhões ao ano, passa a circular no comércio e instituições bancárias, podendo ajudar a aquecer a economia. "Há um efeito no consumo, principalmente das faixas de renda mais baixas", afirma Galvani. Segundo o professor, a tendência das pessoas que ficaram isentas do IR, que recebem em média R$ 1 mil, é usar o que deixam de pagar em imposto para comprar itens essenciais, como roupas e alimentos. Quando a renda aumenta, a tendência é usar o dinheiro para fazer uma poupança. "Nas faixas de renda mais altas, só uma parte será para consumo", analisa Galvani.

Agencia Estado,

19 Dezembro 2001 | 10h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.