Bruno Ponceano/Estadão
Bruno Ponceano/Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O que não será como antes

Certos comportamentos econômicos devem mudar ainda mais depois de ultrapassadas as agruras da hora

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2020 | 19h00

Depois que tudo tiver passado, nada será como antes. Será?

Na TV, nas redes sociais e nas outras mídias, veem-se os apelos para mudança, radical e definitiva, dos padrões de consumo e de conduta, em direção ao mais simples, à revalorização do natural, da amizade, da ternura e da compaixão. 

Leia Também

A conta vai chegar

A conta vai chegar

Tantas e tantas vezes no passado o mundo atravessou  grandes turbulências, até mais dolorosas do que as de agora. A cada período de guerra prolongada, a cada devastação produzida pela peste ou pelo cholera morbus, a cada grande catástrofe, o propósito geral também foi esse, o de que, uma vez enterrados os mortos e cicatrizadas as feridas, as mudanças seriam inevitáveis e para sempre.

Alguma coisa pode de fato ter mudado nessas ocasiões, mas, passada a abominação da desolação, tudo o que era antes tendeu a se repetir, como se sabe desde os tempos do Êxodo e da caminhada pelo deserto, quando os hebreus repentinamente se esqueceram do valor da liberdade, voltaram a adorar o bezerro de ouro e sentiram saudades das cebolas do Egito.

Mas o esquecimento dos propósitos de superação e a volta ao barro de onde viemos não é tudo. Muita coisa vem mudando, um tanto lentamente, mas vem mudando, até para melhor. No tempo da peste, por exemplo, que exterminou metade da população da Europa, nem mesmo os estudiosos sabiam o que era aquilo. Há apenas 116 anos, o Rio esteve entregue à Revolta da Vacina, porque ninguém aceitava o tratamento proposto por Oswaldo Cruz para erradicar a febre amarela. E, hoje, a população corre atrás de vacinas contra a gripe comum. Há cem anos, atacadas pela gripe espanhola, 50 milhões de pessoas morreram no mundo, mais do que na 1.ª Grande Guerra, sem ter como se defender do flagelo. Agora, em questão de semanas, os biólogos sequenciaram o genoma do novo coronavírus.

Independentemente desses progressos, certos comportamentos econômicos que já vinham mudando antes da pandemia devem acentuar a mudança depois de ultrapassadas as agruras da hora. Um deles tem a ver com o uso do dinheiro. Notas de papel-moeda e moedas de metal propriamente dito parecem com seus dias contados, não apenas porque são veículos de transmissão de vírus, bactérias e imundícies variadas, não passíveis de ser desinfetadas, mas porque a substituição das moedas físicas por moedas digitais já vem ocorrendo. O país mais adiantado nesse movimento é a China, que já avançou na adoção de blockchain, nos pagamentos e nas transferências de recursos por aplicativos que dispensam até mesmo a exigência de contas bancárias. Não está longe o dia em que até mesmo esmolas se darão por meio de operações com aplicativos.

As compras online são outra área em transformação. O isolamento a que se viu obrigado o consumidor mostrou ao comércio varejista no Brasil e no mundo que as empresas despreparadas para as vendas online ficaram para trás e agora terão de recuperar o tempo perdido. Não se trata apenas de continuar fisgando o consumidor nas horas de reclusão inevitável, como agora, mas de reduzir substancialmente os custos com estocagem e com logística, como estão fazendo as empresas que já têm boa quilometragem rodada no sistema, como Magazine Luiza, Lojas Americanas e Ponto Frio.

E há a não novidade do home office, ou seja, do trabalho preferencialmente em casa. Um bom serviço de internet e acesso aos arquivos e aos sistemas da empresa são quase tudo o que é necessário para dispensar rotineiras viagens de ida e volta aos escritórios e ou às sedes das empresas, com a vantagem adicional para o empregado de não ter de trabalhar sob o crivo direto do chefe. Mas, convenhamos, esse modelo não serve para tudo, não serve para ser adotado no chão de fábrica, nas linhas de montagem, nos canteiros de obras e na maioria dos serviços pessoais. Apenas parcialmente, pode funcionar no ensino e no treinamento de pessoal.

Essas e eventualmente outras mudanças que agora se acentuam talvez não definam o mundo novo em formação. Mas dão uma ideia do que poderão vir a ser certas relações de trabalho.

Infelizmente, ainda não dá para contar com as tão necessárias mudanças na área ambiental. Imagens de satélite mostraram como melhoraram as condições atmosféricas nesses tempos de reclusão e de carros recolhidos às garagens. Mas essa ainda não parece demonstração capaz de mudar sistemas e de apressar a adoção de políticas destinadas a reverter o aquecimento global. O lucro fácil continua tendo a última palavra.

Apesar do avanço da ciência e do aumento da previsibilidade, uma coisa não muda. Não muda o medo, essa emoção primária que está dentro de cada um de nós.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.