portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

'O que não sobe, não baixa', diz Gabrielli sobre a gasolina

Sem dar prazos, presidente da Petrobras diz que há previsão de reajuste dos preços dos combustíveis

Celia Froufe, da Agência Estado,

24 de março de 2009 | 16h33

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, admitiu nesta terça-feira, 24, a jornalistas que os preços dos combustíveis poderão sofrer alteração, mas evitou falar em prazos. "Há previsão de reajuste. Quando, eu não sei. Vai depender da estabilidade do mercado internacional", disse. Questionado por que até agora o preço da gasolina ainda não havia caído no mercado doméstico, Gabrielli foi taxativo: "Porque não subiu. O que não sobe, não baixa".

 

Veja também:

Petrobras deve investir US$ 174,4 bi até 2013, diz Gabrielli

Gabrielli dá sinais de que preço da gasolina não cairá

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Durante a entrevista coletiva após participar de audiência pública no Senado, Gabrielli voltou a sinalizar, no entanto, que esse reajuste não virá tão cedo. Isso porque, segundo ele, é preciso levar em conta o comportamento de três variáveis que atualmente seguem instáveis: o valor do real perante o dólar, a cotação do petróleo no mercado internacional e o preço do diesel e da gasolina no mercado externo. "Nos últimos quatro meses, esses itens variam muito intensamente a cada dia, mas tendem a ter estabilização. Uma vez que estabilizem, precisamos mudar o preço interno", argumentou.

 

A avaliação de longo prazo do presidente da Petrobras é a de que o preço do petróleo externamente continue a ter elevação. Para o curto prazo, que Gabrielli delimitou entre três a seis meses, não há uma estimativa clara para o preço da commodity, enquanto gasolina e diesel apontam um aumento dos preços nos próximos quatro meses. "Isso não quer dizer que o mercado brasileiro não tenha uma redução (de preço)", disse, explicando que qualquer reajuste dependerá da reação entre as expectativas e os preços praticados em maio de 2008, última data do reajuste.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
GabriellicombustívelPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.