Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

O que se sabe sobre a nova linha de crédito para empresas pagarem os salários dos funcionários?

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Previsão é que sejam beneficiadas 1,4 milhão de pequenas e médias empresas do país, que empregam 12,2 milhões de pessoas.

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 15h07

BRASÍLIA - O governo federal anunciou nesta sexta-feira, 27, uma linha de crédito emergencial para pequenas e médias empresas e que vai ajudá-las a pagar os salários de seus funcionários pelo período de dois meses. O programa para aliviar os efeitos econômicos da disseminação do novo coronavírus vai disponibilizar no máximo R$ 20 bilhões por mês, ou seja, R$ 40 bilhões em dois meses. A previsão é que sejam beneficiadas 1,4 milhão de pequenas e médias empresas do país, que empregam 12,2 milhões de pessoas.

Quais são as regras para acessar o crédito?

  • O financiamento estará disponível para empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano;
  • O dinheiro será exclusivo para folha de pagamento;
  • A empresa terá seis meses de carência (ou seja, o tempo dado depois que contratar o empréstimo para começar a pagar as parcelas) e 36 meses (3 anos) para quitar a dívida;
  • Os juros serão de 3,75% ao ano (patamar da taxa básica de juros).

Onde será possível pegar os empréstimos?

Nos bancos privados. Os presidentes do Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil afirmaram que vão ofertar a nova linha. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no entanto, disse que a nova linha ainda leva entre uma e duas semanas para ficar pronta.

As empresas podem pegar esse crédito para pagar outras despesas?

Não. O financiamento será apenas para pagar os salários dos funcionários. De acordo com o presidente do BC, o dinheiro vai cair direto na conta do empregado indicado pela empresa que pegar o empréstimo. As empresas que contratarem essa linha de crédito não poderão demitir funcionários pelo período de dois meses.

A linha vai cobrir todos os salários?

Não. O dinheiro para pequenas e médias empresas vai financiar, no máximo, dois salários mínimos (R$ 2.090) por trabalhador.

Isso significa que quem já tem salário de até dois salários mínimos continuará a ter o mesmo rendimento. Entretanto, para os funcionários que ganham acima de dois salários, o financiamento ficará limitado a dois salários mínimos.

Caberá às empresas completarem a diferença. O presidente do BC lembrou que, para não completar o valor, a empresa terá que demitir o funcionário, o que acaba custando mais caro que usar a linha. "Para cada demissão, o custo é de três a quatro meses de salário", afirmou.

A empresa pode pegar o empréstimo e também adotar corte no salário dos funcionários?

O governo não deixou isso claro. A equipe econômica já anunciou que permitirá que empresas cortem jornada e salários de funcionários em decorrência da crise econômica provocada pela pandemia, mas ainda não detalhou a medida. Nesta sexta-feira, no entanto, o governo não explicou se as empresas poderão conciliar as duas coisas: pegar o crédito e reduzir jornada e salário.

Qual o custo desse programa para os cofres públicos?

De acordo com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, do total de R$ 40 bilhões que serão ofertados, 85% virão do Tesouro Nacional e outros R$ 15% de bancos privados, que também serão os responsáveis por assinar os contratos com as empresas e repassar o dinheiro do financiamento direto para as contas dos trabalhadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.