''O rendimento não é o que me prometeram''

Corretora de imóveis que investe em fundo DI diz ganho é inferior ao que o gerente ofereceu

, O Estadao de S.Paulo

22 de março de 2010 | 00h00

Sara Hepner Lejy Rosemberg é corretora de imóveis e investe em fundos DI há pouco mais de cinco anos. "Comecei aplicando na Nossa Caixa e sempre achei as taxas muito altas. Agora, invisto pelo Itaú e as taxas são tão altas quanto as anteriores", diz.

Questionada sobre qual o valor que ela paga hoje pela administração do fundo, Sara admite que não sabe. "É tudo muito confuso. Eu sei que o rendimento não é o que me prometeram", afirma, indignada.

Na época em que a corretora de imóveis ingressou no fundo, o gerente da conta lhe prometeu um rendimento semelhante ao da taxa básica de juros (Selic, hoje em 8,75% ao ano).

Para ela, uma boa forma de facilitar o entendimento do investidor seria o banco dar uma espécie de simulação dos resultados dos investimentos. "É uma maneira prática de resolver um grande problema", diz Sara.

Além disso, a investidora salienta que, de um ano para cá, o Itaú não permite mais que o cliente ligue diretamente para a agência para conversar com o gerente e tirar dúvidas sobre o que está havendo.

"Desde então, o cliente é remetido para uma central de atendimento. Isso dificulta o entendimento dos movimentos da conta até porque eu não tenho disponibilidade para estar sempre fisicamente na minha agência", frisa. / R.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.