O santo é de barro e o andor, desconjuntado

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O santo é de barro e o andor, desconjuntado

Os indicadores da economia melhoram, mas não dá para sair comemorando

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2017 | 21h00

Acontece. Durante um tempão, notícia boa não “pega”. As pessoas só reparam no ruim. Mas, lá pelas tantas, nem sempre com a devida explicação, tudo muda e até notícia ruim é olhada pelo seu lado bom.

A economia está entrando nesse clima. No momento, predomina um auê de que a mola no fundo do poço entrou em ação e voltou a catapultar o emprego e de que a hora é de recuperação.

Durante meses, esta Coluna vinha alertando de que nem tudo estava tão ruim quanto se dizia e que o ajuste começava a funcionar. Havia o tombo da inflação, o show das contas externas, a supersafra. Mas as pessoas estavam propensas a dar mais importância para a recessão, para o desemprego e a perda de renda. Prevalecia o baixo-astral.

Os indicadores da economia melhoram, mas não dá para sair comemorando. Convalescença da economia é uma fase vulnerável e a instabilidade do quadro político é um ponto fraco. O dado mais relevante que mostra a recuperação veio do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que apontou avanço médio no primeiro trimestre de 1,12%. Dia 1.° sairá o PIB do primeiro trimestre com provável crescimento em torno disso, resultado positivo que não se via em oito trimestres.

Mas esse não é dado positivo isolado. O mercado já espera para todo este ano inflação abaixo de 4%. No dia 31, o Banco Central baixará os juros básicos (Selic) em pelo menos 1 ponto porcentual ao ano. Mas há boa probabilidade de que corte mais fundo.

As contas externas surpreendem com redução do déficit em conta corrente, que é o resultado líquido das receitas e despesas em moeda estrangeira com o exterior (exceto fluxo de capitais). E, nesse particular, as exportações ultrapassam os melhores prognósticos. Por conta disso, as cotações da moeda estrangeira vêm caindo no câmbio interno. Começaram o ano a R$ 3,28 por dólar e agora oscilam abaixo disso.

A mãe de todas as encrencas são as contas públicas. Mas mesmo aí há algum progresso. Apesar da quebra de arrecadação, a PEC do teto tem boa probabilidade de ser cumprida. E, na base do um pra frente e meio pra trás, as reformas estão andando. Hoje há mais gente acreditando em que o rombo já não se alargará tão rapidamente como antes. Prova de que essa percepção está bastante disseminada é o que se nota no índice de risco do Brasil, que é o seguro contra o calote da dívida: o Credit Default Swap, o título que mede isso, caiu de 501,67 pontos porcentuais registrados no fim de 2015 para os atuais 193,77 pontos.

É preciso falar, também, do desemprego. Há indícios de melhora, como a abertura de novos 59,8 mil postos de trabalho em abril, mas não convém festejar. Este será o último setor a se recuperar. E, ainda assim, se houver retomada da indústria, o empresário preferirá recorrer à automação e à tecnologia de informação para aumentar a produção com o mínimo de contratação de pessoal.

Enfim, é preciso cuidado, porque o santo é de barro e o andor está desconjuntado. Bastará, por exemplo, que a reforma da Previdência seja rejeitada para que muita coisa desabe.

CONFIRA

» Depois de ameaçar ficar abaixo dos R$ 3,10, as cotações do dólar deram ontem uma esticada. Fecharam a R$ 3,13. Mas esse movimento nada tem a ver com os fundamentos da economia brasileira. Refletem as incertezas sobre a capacidade o presidente Donald Trump se manter no governo. 

» Impeachment?

Não adianta avançar prognósticos sobre isso. A política tem lá sua dinâmica. Eventuais transgressões da lei podem não ser decisivas para um desfecho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.