Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O tamanho da inovação

Fundada há mais de uma década em Curitiba, a Emiatec é uma pequena empresa especializada na medição de emissões atmosféricas industriais. Ela começou como prestadora de serviços, importando medidores de um fornecedor alemão. Logo de cara, viu que o modelo era arriscado, pois, além de os equipamentos importados custarem caro, seus clientes poderiam buscar diretamente o fabricante, caso precisassem mais uma vez de um analisador de partículas.

Renato Cruz, O Estado de S. Paulo

17 Maio 2015 | 03h00

A solução foi desenvolver um medidor próprio. O primeiro protótipo, chamado ER1, ficou pronto em 2004. Mas, além da questão técnica, existiam desafios gerenciais, comuns a outras pequenas empresas, como inexperiência em gestão e autofinanciamento. Para fazer frente a isso, a Emiatec se tornou incubada da Intec, do Instituto de Tecnologia do Paraná.

Para melhorar seu medidor de poluentes, a Emiatec recorreu a linhas de financiamento à inovação, da Finep e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). De prestadora de serviços, passou a ser fabricante de medidores. A versão mais recente do equipamento, ER3, permitiu que a companhia participasse do projeto Criosfera, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que enviou uma expedição brasileira ao continente antártico para estudar mudanças climáticas.

A Emiatec é uma das empresas retratadas no livro Inovar é fazer: 22 casos empresariais de inovação de pequenas, médias e grandes empresas, lançado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Sebrae. “Não é possível ter uma agenda forte de inovação no País sem incorporar as pequenas empresas”, afirma Luiz Barreto, diretor presidente do Sebrae.

Ainda é comum no Brasil a ideia de que inovação é coisa de empresa grande. De que a criação de produtos, serviços ou processos depende de investimentos vastos em pesquisa e desenvolvimento. O exemplo da Emiatec mostra que não é assim.

A empresa de pequeno porte reconheceu a oportunidade e desenvolveu um produto que substituiu o importado, a um custo menor. Inovar não é somente criar produtos inéditos, mas oferecer alternativas melhores ao que existe no mercado.

Atualmente, a inovação nas pequenas empresas é facilitada por fatores como a queda de preços das tecnologias digitais. “A ascensão das comunicações móveis e das plataformas de mídia digital reduziu dramaticamente o custo da experimentação”, diz Michael Schrage, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), que esteve em São Paulo para o evento Challenge of Innovation. “Até mesmo organizações pequenas podem testar hipóteses de negócios relacionadas a oportunidades de inovação.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.