O 'VALE-TUDO' DAS MARCAS NOS EUA

Para aparecer, vale até debochar da marca alheia

O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2015 | 02h05

O Super Bowl, a grande final do campeonato de futebol americano, transmitido ontem, atraiu mais de 100 milhões de telespectadores nos Estados Unidos. Para aproveitar essa audiência, as marcas fizeram de tudo um pouco para aparecer: de comercial coletivo a sátiras diretas ao filme publicitário alheio.

No espírito do financiamento coletivo dos tempos atuais, a cerveja New Castle Brown Ale convidou 36 marcas para criar uma única campanha, intitulada "Band of Brands" (ou "Bando das Marcas"). O comercial, veiculado em algumas regiões do país, mostra um casal que anda pela casa nova e tenta citar todas as marcas em apenas um minuto.

A campanha foi vista como uma forma criativa de driblar o alto preço do Super Bowl. Neste ano, 30 segundos chegaram ao valor de US$ 4,5 milhões, segundo a imprensa americana.

Criatividade - com boa dose de humor e ataque - foi também o ingrediente dos salgadinhos Doritos. A marca publicou no YouTube paródias de comerciais da Victoria's Secret e da Budweiser que foram transmitidos no intervalo do Super Bowl.

No lugar das mulheres bonitas que estrelaram o comercial da marca de moda, Doritos colocou homens fazendo "caras e bocas". Já a outra sátira, intitulada "Doritos Puppy Dad", brincou com o fato de muitos dos anúncios do Super Bowl tratarem de cachorrinhos e pais. "Mas que tal (falar de) pais de cachorrinhos?", perguntou a marca. O filme narrou o reencontro entre um cão e seu filhote.

"Cão Perdido", o comercial oficial da Budweiser, foi um dos mais comentados ontem. Apenas no YouTube, o número de visualizações ultrapassou a marca de 20 milhões.

Disputa online. Mesmo com espaço garantido no intervalo do jogo, a maior parte dos anunciantes quer garantir os holofotes também nas redes sociais. Algumas praticamente partem para a guerra.

Foi o caso da Budweiser. Quem entrava no Twitter e digitava no campo de busca "Loctite" (marca de cola cujo comercial foi considerado um dos melhores), via no topo dos resultados um tuíte patrocinado da Bud Light. A Loctite percebeu. "Hey, @budweiser, pare de dar lances para (comprar) nossas palavras-chave. Com amor, Loctite." NAYARA FRAGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.