R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Obama anuncia ajuda para pequenas empresas

Plano usará fundos do pacote de estímulo fiscal de US$ 790 bi e tentará restabelecer fluxo de crédito

Efe,

16 de março de 2009 | 03h23

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, anunciam nesta segunda-feira um plano para restabelecer o fluxo do crédito destinado às pequenas empresas.

 

Veja também:

linkDe olho nos sintomas da crise econômica especial

linkDicionário da crise especial

linkLições de 29

linkComo o mundo reage à crise especial 

 

Obama e Geithner, recém chegado a Washington da reunião ministerial do Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes), em Londres, se reunirão primeiro com pequenos empresários e representantes de bancos locais na Sala Roosevelt da Casa Branca.

 

Em seguida detalharão o plano, que usará fundos da verba para as pequenas empresas que está incluída no pacote de estímulo fiscal de quase US$ 790 bilhões aprovado no mês passado pelo Congresso.

 

O programa reduzirá as taxas dos empréstimos públicos e ampliará as garantias de pagamento que o governo oferece mediante a Agência da Pequena Empresa (SBA, na sigla em inglês) até 90% do valor do empréstimo, segundo revelaram fontes governamentais durante o fim de semana.

 

Atualmente essas garantias cobrem 85% para créditos de menos de US$ 150 mil e 75% para empréstimos maiores.

 

Com a ampliação da cobertura, o governo pretende reduzir o risco para os bancos de uma possível moratória por parte do empresário e animá-los a emprestar mais.

 

Christina Romer, que dirige o Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, explicou no domingo que o mercado secundário de dívida das pequenas empresas "virtualmente desapareceu".

 

Os bancos usavam esse mercado para vender os empréstimos a investidores e com esse dinheiro estender mais crédito. Com seu novo programa, o governo pretende que esse mercado volte a funcionar, disse Romer.

Tudo o que sabemos sobre:
crise nos EUAcrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.