finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Obama anuncia mudanças em programa para refinanciar hipotecas

Elevado número de norte-americanos que devem mais que suas casas valem contribui para estagnação do mercado imobiliário

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

24 de outubro de 2011 | 12h09

WASHINGTON - O regulador do setor de habitação nos Estados Unidos e o governo do presidente Barack Obama devem revelar nesta segunda-feira uma grande reformulação no programa para refinanciamento de hipotecas imobiliárias para centenas de milhares de emprestadores cujas casas perderam valor.

O plano, que não precisa da aprovação do Congresso, é o esforço mais recente da Casa Branca para lidar com uma das mais importantes travas para a economia: o mercado imobiliário estagnado, o que ocorre em parte pelo elevado número de norte-americanos que devem mais que suas casas valem. A iniciativa não é nova, mas reformula um programa já existente. A mudança ocorre após vários esforços da administração Obama para estabilizar o mercado imobiliário, em uma economia com desemprego persistentemente alto.

A revisão permitirá que os emprestadores refinanciem suas hipotecas independentemente de quanto suas casas tenham perdido de valor, eliminando um limite anterior de 125% do valor atual do empréstimo. O plano aperfeiçoa o processo de refinanciamento ao eliminar estimativas e vários requerimentos para a maioria dos emprestadores, contanto que os proprietários estejam em dia com seus pagamentos de hipotecas, segundo funcionários do governo e uma fonte da Agência Federal de Financiamento à Moradia (FHFA, na sigla em inglês).

A medida pode beneficiar emprestadores em Nevada, Arizona, Flórida e Califórnia, que pagam taxas de juros acima do mercado e devem bem mais que o valor de suas casas. Funcionários da FHFA estimam que entre 800 mil e 1 milhão de emprestadores poderão refinanciar suas dívidas com essa reformulação no programa.

O presidente Barack Obama deve tratar do assunto em um pronunciamento hoje em Las Vegas. O programa de refinanciamento, conhecido em inglês pela sigla HARP, deve ser ampliado até 2013, além do prazo inicial de junho de 2012, como uma maneira de encorajar os bancos a aumentar seu compromisso com a iniciativa.

O programa, porém, é limitado a hipotecas garantidas pelas agências hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac antes de junho de 2009. Os empréstimos já refinanciados nos últimos dois anos e meio, incluindo aqueles através do HARP, não poderão passar por um novo refinanciamento. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.