Obama assina lei da reforma do setor financeiro dos EUA

Em discurso, presidente norte-americano apresenta lei como o maior passo na direção de corrigir os problemas que contribuíram para a última crise e a severa recessão que a seguiu

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

21 de julho de 2010 | 13h58

O presidente dos EUA,Barack Obama, assinou a lei que institui a maior reforma na regulamentação do sistema financeiro do país Grande Depressão dos anos 1930, marcando a conclusão de um ano de trabalho para formular uma resposta legislativa à crise financeira de 2008.

Em discurso antes de formalizar a assinatura, Obama apresentou a lei como o maior passo na direção de corrigir os problemas que contribuíram para a última crise e a severa recessão que a seguiu. "Por anos, nosso setor financeiro foi governado por regras antiquadas e pouco fiscalizadas, que permitiram a alguns participantes assumir riscos que colocaram em perigo toda a economia", afirmou.

Obama disse que a nova lei protegerá os consumidores e trará transparência a pontos obscuros dos mercados financeiros, como o mercado de balcão de derivativos. "O povo norte-americano nunca mais terá de pagar a conta pelos erros de Wall Street", acrescentou o presidente, referindo-se cláusulas que aumentam o poder dos órgãos reguladores federais para desapropriar e desmantelar grandes companhias financeiras complexas à beira do colapso - autoridade que faltou nos casos do American International Group (AIG) e Lehman Brothers. "Não haverá mais salvação com recursos dos contribuintes," afirmou Obama. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
obamaleireformasetor financeiroeua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.