AP
AP

R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Obama defende novo 'modelo de crescimento pós-bolha'

Para presidente dos EUA, chegou ao fim modelo econômico baseado só no mercado de crédito superaquecido

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

13 de março de 2009 | 15h35

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta sexta-feira, 13, que sua administração está trabalhando para lidar com as obstruções nos mercados de crédito e criar um modelo para crescimento sustentável no longo prazo. "É muito importante, mesmo enquanto estamos focados sobre o sistema financeiro e os mercados de crédito, que lancemos as bases para o que estou chamando de um modelo de crescimento econômico pós-bolha", disse Obama, depois de um encontro com o ex-presidente do Federal Reserve Paul Volcker, que preside o Conselho de Consultores de Recuperação Econômica da Casa Branca.

 

Veja também: 

Lula pede que ricos cuidem de seus bancos

Sob pressão, Suíça relaxa regras de sigilo bancário

G-20 se divide sobre qual deve ser resposta à crise

FT: Brasil está em lista informal de países-chave do G20

Japão se preocupa com títulos dos EUA

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise   

 

"Os dias em que éramos capazes de fazer esta economia crescer apenas sobre um mercado de moradia superaquecido ou pessoas usando ao máximo seu cartão de crédito - aqueles dias acabaram." "Estamos gastando cada dia trabalhando sobre como ter o crédito fluindo novamente para que as grandes e pequenas empresas, assim como os consumidores, possam obter crédito, para que possamos ter a economia se movendo novamente", disse o presidente.

 

Enquanto o secretário do Tesouro, Timothy Geithner se reúne com os ministros de Finanças do G-20, grupo que inclui países ricos e emergentes, em Londres neste final de semana, Obama disse que os EUA precisam coordenar sua resposta para a crise econômica global com outros países "com objetivo de assegurar que o que estamos fazendo aqui nos EUA seja correspondido com fortes esforços no exterior". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.