Obama e republicanos trocam críticas sobre economia

O presidente dos EUA, Barack Obama, e políticos republicanos trocaram farpas hoje, criticando uns aos outros pela apresentação de propostas de criação de empregos fracassadas.

AE-DJ, Agencia Estado

24 de julho de 2010 | 13h10

Em seu programa semanal de rádio, Obama disse que a aprovação de uma reforma das leis regulatórias financeiras, os investimentos em energias limpas e o corte de impostos para as famílias que trabalham são as melhores formas de ajudar os EUA a saírem da recessão.

"Eu não posso dizer a vocês que esse plano trará de volta todos os empregos que perdemos e fará com que nossa economia retorne à força total da noite para o dia", disse ele. "A verdade é que políticas econômicas falhas levaram quase uma década para criar essa desordem e serão necessários anos para consertar totalmente o estrago. Mas eu estou confiante de que finalmente estamos caminhando na direção certa", disse ele.

O deputado Mike Pence, republicano de Indiana, rebateu as críticas, e disse que as políticas de Obama fracassaram. "O presidente Obama afirma que as coisas estão melhorando", disse Pence. "Mas as famílias norte-americanas veem as coisas de um modo um pouco diferente."

As críticas de Obama dirigiam-se especificamente ao deputado John Boehner, republicano de Ohio e líder da minoria na Câmara, por um plano para criar empregos que o presidente afirma que incluiria a recusa à reforma do sistema de seguro-saúde, limitaria os investimentos em energia limpa e estenderia os cortes de impostos do governo de George W. Bush. "Essas são as mesmas políticas que nos levaram para a recessão", disse Obama. "Elas não criarão empregos, elas irão matá-los."

Pence insistiu que os planos de Obama para revitalizar a economia estão equivocados. Ele disse que os democratas estão promovendo mais gastos, mais regulação e mais impostos. "Apenas em Washington alguém pensaria que o aumento dos impostos criaria empregos", disse Pence. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcríticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.