Obama ganha tempo antes do abismo fiscal

Manobra do Tesouro afasta risco de suspensão de pagamentos logo no início de 2013

DENISE CHRISPIM MARIN , CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2012 | 02h02

Diante da incerteza sobre o acordo entre a Casa Branca e o Congresso para evitar o abismo fiscal a partir de 1.º de janeiro, o Departamento do Tesouro conseguiu ontem postergar seu pedido aos parlamentares para elevar o teto da dívida pública. Com isso, foi afastado o risco de suspensão de pagamentos de obrigações da dívida e de gastos correntes logo no início de 2013.

A iniciativa foi detalhada em carta do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, ao líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, à qual o Estado teve acesso. No texto, Geithner explica ter adotado quatro medidas para criar uma margem de US$ 200 milhões entre o valor atual da dívida e o teto definido por lei, de US$ 16,4 bilhões.

O Tesouro suspendeu a venda de títulos a Estados e municípios, os aportes a dois fundos de aposentadoria de servidores federais e o reinvestimento nos fundos de securitização e de estabilização do câmbio do governo.

Geithner explicou, na carta, não saber até quando essa margem de US$ 200 milhões durará. "Sob circunstâncias normais, o valor dessa margem poderia durar cerca de dois meses. Entretanto, dada a significativa incerteza que hoje existe sobre as políticas tributária e de gastos para 2013, não é possível prever a efetiva duração dessas medidas."

A iniciativa antecipa o pessimismo do governo Obama sobre a conclusão de um acordo fiscal até 31 de dezembro. Sem o acerto, disse Geithner, a duração da margem deverá ser maior. Mas o país cairá no abismo fiscal. O corte de gastos públicos, de US$ 560 bilhões em dez anos, e a eliminação de benefícios fiscais aos americanos mais ricos e à classe média tenderão a levar a economia americana a uma nova recessão.

Retomada. As negociações deverão ser retomadas hoje. Com o risco de suspensão de pagamentos afastado, o poder de barganha dos republicanos diminuiu. O presidente dos EUA, Barack Obama, se mostra disposto a fechar um acordo menos ambicioso, com medidas de curto prazo e a postergação do plano de ajuste nas contas públicas até 2022. Faltam apenas quatro dias para o prazo final.

O desespero da Casa Branca é visível. Obama antecipou seu retorno do Havaí, onde passou o Natal com a família, para desembarcar hoje em Washington e retomar as conversas. Seu principal aliado, o senador democrata Harry Reid, estará a postos. O republicano John Boehner, presidente da Câmara, ainda não chamou sua base para Washington.

O impasse criado na sexta-feira se manteve nos dias de festa. Boehner sofrera uma rebelião dos republicanos radicais (Tea Party) na noite anterior. O grupo recusou-se a votar sua proposta, o chamado Plano B, que envolvia uma alíquota regular de Imposto de Renda a americanos com ganhos anuais superiores a US$ 1 milhão.

Desde 2006, os contribuintes com renda acima de US$ 250 mil - 2% dos americanos - têm alíquota reduzida. Atado a sua promessa de campanha eleitoral, Obama quer garantir o IR reduzido apenas para a classe média e as pequenas empresas. Chegou a fazer uma concessão: elevar o piso de US$ 250 mil para US$ 400 mil. Mas, para o Tea Party, o retorno da cobrança original aos mais ricos soa como blasfêmia.

O governo Obama pode forçar a aprovação de sua proposta no Senado, de maioria democrata. Mas terá de convencer pelo menos 26 deputados da oposição a votar em favor do projeto. Seus alvos serão os 34 republicanos que devem se aposentar ou não foram reeleitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.