Jason Reed/REUTERS
Jason Reed/REUTERS

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Obama indica Bernanke para Fed e defende BC 'independente'

Presidente advertiu que economia dos EUA está a "um longo caminho" de atingir recuperação econômica plena

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

25 de agosto de 2009 | 10h46

O presidente norte-americano, Barack Obama, anunciou a indicação do atual presidente do Fed, Ben Bernanke, para um segundo mandato, elogiando sua "calma e inteligência" diante da crise econômica. Obama também defendeu a manutenção de um banco central "forte e independente" e advertiu que a economia dos Estados Unidos está a "um longo caminho" de atingir um sistema financeiro saudável e uma recuperação econômica plena.

 

"Precisamos de Ben para dar continuidade ao trabalho que estamos fazendo e este é o motivo pelo qual tenho dito que não podemos voltar à uma economia baseada em bancos altamente alavancados, lucros inflados" e cartões de crédito excessivamente fáceis, disse Obama no discurso da indicação de Bernanke.

 

Bernanke, um republicano, foi indicado para a presidência do Fed pelo presidente George W. Bush, após ocupar o cargo de presidente do Conselho de Assessores Econômicos. O atual mandato vence em janeiro de 2010. Sua indicação para um segundo mandato encerra as especulações sobre a liderança do Fed enquanto ainda estão em andamento medidas adotadas para enfrentar a crise financeira. A indicação de Bernanke precisa ser confirmada pelo Senado.

 

"Ben aproximou um sistema financeiro à beira do colapso com calma e inteligência, com ações ousadas e ideias não convencionais que ajudaram a colocar freio na desaceleração em queda livre da economia", dirá Obama nesta terça-feira, quando anunciar sua decisão de indicar Bernanke para outro mandato como presidente do banco central. "Praticamente nenhuma das decisões que ele ou qualquer um de nós tomou foi fácil", dirá Obama.

 

Obama também pediu a aprovação de reformas na regulação financeira, as quais causam divisões no Congresso, com alguns legisladores criticando um eventual excesso de poder do Fed. "Já vimos como a falta de rigor e uma regulação fraca podem criar enormes riquezas para poucos e grande dor para os outros" disse Obama. "E este é o motivo pelo qual mesmo diante de certa resistência em Wall Street, daqueles que preferem que as coisas fiquem como estão, iremos aprovar reformas necessárias para proteger consumidores, investidores e todo o sistema financeiro", acrescentou.

 

Bernanke tem sido elogiado pelos economistas e sua manutenção no cargo era esperada em Wall Street. Mas alguns legisladores criticaram a resposta de Bernanke à crise e o puniram por não ter feito mais para evitar a crise antes que chegasse.

 

O anúncio da indicação de Bernanke não era esperada neste momento, mas traz benefícios à Casa Branca, que enfrenta uma série de desafios nas últimas semanas. Ao indicar Bernanke novamente, Obama irá desviar a atenção de notícias como os números do déficit do governo, agradar os mercados financeiros ao eliminar a incerteza quanto à condução do Fed e dar aos legisladores tempo para o processo de confirmação de Bernanke no um segundo mandato. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BernankeFedObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.