Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Obama lança força-tarefa contra fraudes financeiras

O governo do presidente Barack Obama anunciou a formação de uma força-tarefa envolvendo diversos departamentos e agências para combater fraudes financeiras. "A missão desta força-tarefa não é apenas responsabilizar aqueles que ajudaram a causar a turbulência financeira, mas evitar que outra turbulência ocorra", disse o procurador-geral dos EUA, Eric Holder, que liderará a força-tarefa.

REGINA CARDEAL, Agencia Estado

17 de novembro de 2009 | 18h27

A força-tarefa substitui uma anterior contra fraude corporativa criada pelo ex-presidente George W. Bush em 2002 após uma onda de escândalos que desembocaram no colapso de grandes companhias, incluindo a Enron e a WorldCom. Holder, em entrevista ao lado do secretário do Tesouro, Tim Geithner, e de outras autoridades, disse que as ações do governo Obama para combater a fraude financeira serão mais amplas do que as da força-tarefa anterior. O grupo incluirá autoridades dos Departamentos de Justiça, do Tesouro, da Habitação e Desenvolvimento Urbano, da SEC (Securities and Exchange Commission, a comissão de valores norte-americana) e de outras agências.

A equipe deve dar origem a um esforço coordenado coibir fraudes financeiras, hipotecárias e corrupção. O grupo também se preocupará com a discriminação nos mercados de crédito e financeiro e vai monitorar os gastos dos recursos dos programas de estímulo federal, disse Holder.

Robert Khuzami, diretor da divisão de aplicação de leis da SEC, disse que um aspecto chave da força-tarefa será a melhor coordenação dos esforços para execução da legislação civil e criminal. Geithner, por sua vez, disse que o governo precisa de uma estratégia muito mais agressiva na aplicação da lei.

"Com muita frequência no passado, mesmo com pessoas enormemente dedicadas trabalhando muito duro nos níveis federal e estadual, os recursos para aplicação da lei não foram mobilizados numa escala maior até que um dano extensivo já não tivesse sido causado", disse. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.