Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Obama nomeia Bernanke para 2o mandato no Fed

O presidente norte-americano, Barack Obama, nomeou Ben Bernanke para o segundo mandato como chairman do Federal Reserve, visando continuidade num momento em que a economia começa a sair de uma profunda recessão.

ROSS COLVIN E PATRICIA ZENGERLE, REUTERS

25 de agosto de 2009 | 12h56

Obama interrompeu suas férias em uma ilha em Massachusetts para fazer o anúncio nesta terça-feira, com Bernanke ao seu lado.

"Ben conduziu um sistema financeiro à beira do colapso com calma e sabedoria, com ações enérgicas e pensamentos inovadores que ajudaram a conter o forte enfraquecimento econômico", disse Obama.

Obama afirmou ainda que o setor automotivo norte-americano está "mostrando sinais de vida" e que o investimento está se estabilizando, após a mais profunda recessão desde a Grande Depressão. Os mercados imobiliário e de crédito também foram salvos do colapso, acrescentou.

O momento do anúncio pode ter ajudado a desviar a atenção de outras notícias menos favoráveis nesta terça-feira. A Casa Branca aumentou a projeção de déficit fiscal em 10 anos em 2 trilhões de dólares, para aproximadamente 9 trilhões de dólares, e divulgou que espera que a taxa de desemprego atinja 10 por cento.

O escritório orçamentário do Congresso estimou que o déficit do governo federal ficará em 1,59 trilhão de dólares no ano fiscal vigente e pode chegar a 7,14 trilhões de dólares em 10 anos.

Investidores esperavam que Bernanke assumisse o segundo mandato de quatro anos em 1o de fevereiro de 2010, mas não contavam com um anúncio tão adiantado.

Representantes do governo Obama enfatizaram repetidamente antes do início das férias do presidente que não haveria notícias no período.

Uma autoridade da Casa Branca, entretanto, disse que Obama quis acabar com as especulações sobre o futuro do chairman do Fed.

Bernanke, cuja nomeação terá de ser confirmada pelo Senado, reduziu a taxa básica de juro dos EUA para perto de zero e inundou os mercados financeiros com centenas de bilhões de dólares para combater a crise de crédito e enfrentar a recessão.

"Nós temos sido incisivos ou ponderados conforme as circunstâncias demandaram, mas nosso objetivo continua o mesmo: restabelecer um ambiente econômico e financeiro mais estável em que a oportunidade possa voltar a florescer e em que o trabalho árduo e a criatividade dos norte-americanos possam ser recompensados apropriadamente", disse Bernanke.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUABERNANKECONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.