finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Obama pede rapidez a Bush para salvar indústria automobilística

Presidente condicionou socorro a apoio dos democratas ao acordo de livre comércio com a Colômbia, diz NYT

Efe e AE,

11 de novembro de 2008 | 11h26

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu a George W. Bush que atue imediatamente para salvar a indústria automobilística de Detroit da quebra e ajude a economia em termos mais amplos. Obama se reuniu na última segunda-feira com Bush na Casa Branca durante uma visita que se prolongou por duas horas e que se enquadrou dentro do processo da transferência de poder. Segundo o jornal The Wall Street Journal, durante o encontro, Obama abordou com Bush a precária situação do setor automobilístico americano e lhe pediu que atue com rapidez para evitar uma piora dessa indústria. Veja também:Inflação chinesa recua ao menor patamar em 17 mesesRede varejista de eletrônicos pede concordata nos EUAGM desiste de negociar fusão com a ChryslerDe olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  O pedido do presidente eleito acontece em um momento no qual o Congresso começou a se movimentar para garantir à indústria automobilística de Detroit acesso aos fundos federais do plano de socorro do governo. Após o pedido de Obama, Bush indicou que poderá apoiar uma ajuda à indústria automotiva dos EUA e um pacote mais amplo de estímulo econômico, se Obama e os democratas do Congresso retirarem a oposição ao acordo de livre comércio com a Colômbia, relatou o New York Times, citando pessoas com conhecimento da discussão. O governo Bush tem sido contrário a permitir que as montadoras acessem o fundo de resgate federal de US$ 700 bilhões, apesar de alertas na semana passada de que a General Motors pode não sobreviver até o fim do ano. Na última sexta-feira, a maior montadora dos EUA, a General Motors Corp, alertou que poderia ficar sem caixa no primeiro semestre do próximo ano sem uma grande injeção de dinheiro. A GM também informou que havia suspendido as negociações para adquirir outra montadora em dificuldade, a Chrysler LLC. A Ford Motor Co também anunciou pesadas perdas financeiras e planos para cortar um número adicional de 10% de seu custos com trabalhadores assalariados na América do Norte. O senador Carl Levin, de Michigan, disse nesta terça-feira, 11, que está elaborando uma lei, que espera ser aprovada rapidamente pelo Congresso, prevendo a liberação de fundos do plano de resgate multimilionário para salvar as empresas automobilísticas de Detroit da quebra. Enquanto Obama estava reunido com Bush no Salão Oval e sua esposa, Michelle, era guiada pelos salões da Casa Branca pela primeira-dama, Laura Bush, o chefe para a transição do presidente eleito, John Podesta, manteve um encontro com o chefe de gabinete do atual presidente, Joshua Bolten. Os assessores de Obama falaram com líderes do Congresso antes da reunião de hoje na Casa Branca para abordar duas questões: como Washington pode ajudar de maneira imediata o setor automobilístico e se as duas câmaras podem aprovar em uma sessão da próxima semana um novo plano de estímulo econômico.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaBushcrisesetor automobilístico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.