Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Obama pede reforço nas penalidades para especuladores de petróleo

Presidente dos EUA sugeriu elevar para US$ 10 milhões a punição por manipulação do mercado

Patrícia Braga, da Agência Estado,

17 de abril de 2012 | 15h02

WASHINGTON - O presidente Barack Obama defendeu o aumento nas penalidades para os especuladores de petróleo e expansão da supervisão dos EUA no setor, como parte de um plano para punir severamente "alguns irresponsáveis" que manipulam os mercados de petróleo. "O aumento nos preços da gasolina significam uma pesada carga para muitas famílias", afirmou Obama em discurso no jardim da Casa Branca. "Não podemos permitir uma situação onde os especuladores manipulam artificialmente os mercados elevando as compras de petróleo, criando uma percepção de falta e elevando os preços a novas altas, apenas para garantir lucro rápido."

O presidente disse que o Congresso deveria reforçar a Comissão de Comércio de Futuros de Commodities (CFTC) para inspecionar os mercados de energia e aumentar o valor da penalidade para a manipulação do mercado de US$ 1 milhão para US$ 10 milhões. Pena que deverá ser cobrada por cada dia de violação das regras.

O plano da administração de Obama é uma tentativa de conter as críticas diárias dos republicanos de que ele não está fazendo o suficiente para reduzir os preços da gasolina, que subiram 10% nos últimos meses. Não está claro que impacto que ele terá sobre os preços da gasolina. O presidente reconheceu, "que nenhum desses passos apenas trará os preços da gasolina para baixo em apenas uma noite".

Especialistas em energia debatem a muito tempo o papel do comercio especulativo em determinar os preços do petróleo, que atinge primeiramente os preços da gasolina. Alguns especialistas dizem que esses traders desempenham um papel importante no fornecimento de liquidez nos mercados da commodity. Outros dizem que eles tornam o mercado mais volátil porque eles combatem os movimentos nos preços futuros.

A proposta do presidente precisará da aprovação do Congresso, o que deixa o ônus de sua desaprovação nas mãos dos republicanos que controlam a Casa. Ao contrário dos colegas democratas, os republicanos não mostraram interesse em aprovar este tipo de reforma. Eles dizem que as restrições na produção doméstica estão desempenhando um papel principal na condução dos preços da gasolina. Os republicanos rapidamente criticaram o anuncio do presidente.

"Se eu estiver certo, a proposta de hoje do presidente provavelmente será bem vinda para as pesquisas", afirmou o líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell. "Mas eu garanto que ela não fará a menor diferença nos preços da gasolina na bomba. Nunca fez no passado".

O presidente disse que para qualquer um que acredita que os especuladores de petróleo não podem atingir os preços "apenas lembre como os traders da Enron manipularam os preços da eletricidade apenas para aumentar seus lucros às custas dos outros." A Enron Corp pediu falência em 2011 após uma enorme escândalo.

Como parte de sua proposta, o presidente pediu ao Congresso US$ 52 milhões para a CFTC. O dinheiro seria usado para contratar pessoal e melhorar a tecnologia a ser usada no combate da atividade comercial ilegal.

A CFTC já está em processo de reescrever regras para limitar o comercio especulativo de petróleo e em outros mercados de commodities. Democratas acusaram a Comissão de se mover muito lentamente, entretanto, e pressionaram a agência para publicar as regras na próxima semana. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Obamapetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.