Obama pode declarar quebra da GM, diz jornal

Prazo para a montadora apresentar plano de reestruturação vai até 31 de maio

Efe,

22 de maio de 2009 | 05h14

O presidente americano, Barack Obama, está disposto a declarar a falência da General Motors (GM) na próxima semana, assegurou nesta sexta-feira, 22, o jornal The Washington Post em sua edição digital. Segundo o diário, o governo dos EUA forneceria cerca de US$ 30 bilhões em ajudas à montadora para que possa prosseguir com sua reestruturação e emergir de forma rápida da moratória. Esse número se somaria aos aproximadamente US$ 15 bilhões que a montadora já recebeu desde dezembro.

 

O Washington Post acrescentou que a Administração Obama também está se preparando para que a Chrysler abandone na próxima semana a situação de moratória em que se encontra desde abril.

 

O Departamento do Tesouro concedeu à General Motors um prazo até 31 de maio para desenvolver um plano de reestruturação que reduza de forma dramática seus custos trabalhistas, encargos financeiros e sua dívida. Nesta quinta-feira, o sindicato United Auto Workers (UA) anunciou que tinha chegado a um acordo com a GM para reduzir seus custos trabalhistas e suas responsabilidades financeiras com relação ao fundo que tem para financiar os gastos de saúde dos trabalhadores e aposentados da empresa.

 

A montadora tinha se comprometido a fornecer US$ 20 bilhões a esse fundo, mas o Departamento do Tesouro queria que uma parte considerável dessa quantidade fosse em forma de ações, em vez de

dinheiro.

 

Como já aconteceu com a Chrysler, o principal problema da GM agora é convencer seus credores a aceitar a oferta do Tesouro para cancelar as dívidas.

Tudo o que sabemos sobre:
GMTesouroEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.