Obama prevê déficits elevados e fixa metas ambiciosas

O presidente norte-americano, Barack Obama, previu em seu primeiro Orçamento o maior déficit do país desde a Segunda Guerra Mundial, com uma custosa revisão do sistema de saúde e gastos de bilhões de dólares para lidar com o declínio econômico. O déficit de 1,75 trilhão de dólares para o ano fiscal de 2009 dominou as atenções. Isso equivale a 12,3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) --o maior desde 1945. Em 2010, o déficit deve recuar para um patamar ainda elevado de 1,17 trilhão de dólares. A oposição republicana rapidamente condenou o projeto orçamentário que destaca a intenção de Obama de cumprir promessas de campanha de expandir a cobertura do sistema público de saúde e ajustar os impostos dos mais ricos. "Não acho que podemos continuar como estamos. Eu trabalho para o povo americano e estou determinado a promover a mudança pela qual as pessoas votaram em novembro", disse Obama. Alguns analistas questionaram se as metas de Obama são realistas num momento em que a economia ainda está em crise e o aumento do déficit ameaça pressioná-la por mais anos. "Há algumas coisas boas nesse Orçamento, mas muito ainda parece desperdício", afirmou Dan Cook, analista sênior de mercado da IG Markets, em Chicago. Embora cortes de impostos e gastos com programas sociais sejam a principal arma de Obama para impulsionar a economia, o Orçamento também inclui 250 bilhões de dólares para ajudar o setor bancário. Obama ainda não decidiu se vai buscar esses recursos. Mas se optar por isso, o montante seria acrescido aos 700 bilhões de dólares do programa de socorro financeiro, que foi aprovado durante o governo Bush e visto como impopular por muitos norte-americanos. A proposta de 3,55 trilhões de dólares em gastos para o ano fiscal de 2010, que começa em 1o de outubro, dá as bases gerais para um plano mais detalhado que será divulgado em abril. O Orçamento precisa ser aprovado pelo Congresso. O déficit previsto reforça as preocupações de que o governo terá de vender volume recorde de dívida para financiar seus programas para tirar a economia da recessão. Obama estabeleceu uma meta de cortar o déficit para 533 bilhões de dólares, ou 3 por cento do PIB, até 2013. GASTOS DE GUERRA Obama está buscando mais 75,5 bilhões de dólares para as guerras no Iraque e no Afeganistão para o restante do atual ano fiscal. Ele está pedindo 130 bilhões de dólares para operações militares nas duas guerras para 2010 --um recuo frente aos cerca de 140 bilhões de dólares que ele espera serem necessários este ano. Washington gastou cerca de 190 bilhões de dólares nas guerras em 2008. A proposta orçamentária de Obama prevê corte de gastos em subsídios agrícolas e em outras áreas para cumprir o objetivo de redução do déficit. Mas esses programas são populares junto a parlamentares de Estados que contam com grandes setores agrícolas. O Orçamento inclui bilhões em receitas, a partir de 2012, de um sistema de negociação de emissões de gás de efeito-estufa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.