Obama quer congelar parte do orçamento dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pretende propor um congelamento de três anos em gastos com diversos programas, que respondem por um sexto do orçamento federal. A decisão tem como objetivo reduzir as preocupações dos eleitores com o déficit de US$ 1,4 trilhão do governo.

MARCÍLIO SOUZA, Agencia Estado

26 Janeiro 2010 | 11h41

O congelamento afetaria US$ 447 bilhões em gastos, ou 17% do total do orçamento, mas pode ser superado pela expansão em áreas de gasto discricionário que não serão afetadas. A meta é economizar US$ 250 bilhões durante a próxima década em comparação com o que seria gasto nessas áreas, levando em conta a inflação.

Entre as áreas que poderão estar sujeitas à medida estão os Departamentos de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Justiça, Energia, Transporte, Agricultura e Saúde e Serviços Humanos. Ficarão de fora os gastos discricionários relacionados a militares e veteranos, segurança interna e assuntos internacionais, bem como grandes programas sociais, como Seguridade Social e Medicare.

O congelamento do gasto, que deverá ser incluído no discurso do Estado da União de amanhã e na proposta de Orçamento do presidente, a ser apresentada em 1 de fevereiro, faz parte de uma série de iniciativas em pequena escala que a Casa Branca tem anunciado, enquanto o presidente se ajusta a um terreno político mais hostil no segundo ano de seu mandato. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
congelamentogastosorçamentoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.