finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Obama sanciona lei que prorroga benefícios a desempregados

Programa de auxílio federal beneficiará cidadão norte-americano sem emprego por até vinte semanas

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

06 de novembro de 2009 | 15h17

O presidente dos EUA, Barack Obama, sancionou a lei que prorroga os benefícios federais aos desempregados em até 20 semanas. O ato ocorre no mesmo dia que um desanimador cenário de emprego foi confirmado por outro salto na taxa nacional de desemprego. Na manhã desta sexta-feira, 6, o Departamento do Trabalho informou que a taxa de desemprego saltou para 10,2% em outubro, de 9,8% em setembro, com a economia perdendo mais 190 mil vagas.

 

Os economistas esperavam um aumento na taxa de desemprego, mas o fato de mais de 1 em cada 10 pessoas no país que estão procurando emprego não encontram uma colocação é mais uma evidência de que a economia tem um longo caminho a percorrer antes dos efeitos da recessão diminuírem.

 

Pessoas desempregadas há muito tempo em muitos estados agora podem se qualificar a até 99 semanas de benefícios, quando se combina a assistência federal e estadual. Os desempregados em todos os 50 estados americanos vão receber uma assistência federal adicional de 14 semanas, enquanto os desempregados nos estados com uma taxa de desemprego média de pelo menos 8,5% em três meses vão receber um benefício adicional de seis semanas.

 

A medida vai afetar apenas aqueles que já esgotaram seu benefício de desemprego ou que vão esgotá-lo até o final do ano.

 

Crédito imobiliário

 

Obama também sancionou uma medida que prorroga até abril um crédito fiscal de até US$ 8 mil oferecido aos norte-americanos que comprarem seu primeiro imóvel residencial. A provisão também cria um benefício semelhante para aqueles que queiram vender sua casa e comprar outra. Estas pessoas poderão solicitar um crédito fiscal de US$ 6.500 na aquisição de um novo imóvel residencial desde que tenham vivido cinco anos seguidos no endereço atual nos últimos oito anos.

 

Além disso, o programa passará a contemplar indivíduos com renda de até US$ 125 mil e casais com renda conjunta de US$ 225 mil. Anteriormente, o teto era de US$ 75 mil para indivíduos e de US$ 150 mil para casais. "Queremos proporcionar a ainda mais famílias a chance de adquirir a casa própria", afirmou Obama. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.