Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Obra do Comperj, no Rio, tem 236 demissões

Complexo petroquímico, com suspeita de superfaturamento, está sendo erguido por grupos envolvidos na Lava Jato

Antonio Pita, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2015 | 02h02

Um dos projetos da Petrobrás com suspeita de superfaturamento, o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) registrou ontem a demissão de 236 trabalhadores ligados ao consórcio construtor, formado por empresas investigadas pela operação Lava Jato. Segundo o sindicato de trabalhadores de Itaboraí, onde o complexo está localizado, na região metropolitana do Rio, parte dos canteiros também ficou fechada em função da crise que abate construtoras e fornecedoras da estatal.

Os trabalhadores demitidos eram do consórcio CPPR, responsável pelas obras civis. O consórcio é formado por Odebrecht, Mendes Júnior e UTC, citadas nas investigações da Polícia Federal. O consórcio foi contratado para a construção de interligações entre as unidades de refino do primeiro trem do Comperj. No pico das obras, cerca de 2,5 mil trabalhadores atuaram no projeto. Procurado, o consórcio não se pronunciou sobre os desligamentos.

A Petrobrás confirmou as demissões. Segundo a estatal, o consórcio "iniciou um processo de desmobilização regular de sua mão de obra, prevista no seu planejamento, em função da conclusão de diversas atividades do contrato".

Hoje, o projeto desenvolvido pelo consórcio está com 92% de avanço físico, segundo a petroleira. A estatal informou ainda que "não foram identificados impactos no cronograma da obra". O Comperj está orçado em US$ 13,5 bilhões.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Montagem e Manutenção de Itaboraí (Sintramon), outra parte do canteiro de obras do Comperj fechou ontem. O canteiro seria da empresa Alumini, que vem alegando falta de repasses da Petrobrás e demitiu 490 pessoas desde novembro. Segundo a estatal, o contrato no Comperj ainda está vigente com a Alumini. Na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a mesma empresa abandonou em outubro as obras e demitiu mais de 4 mil funcionários.

Tudo o que sabemos sobre:
ComperjPetrobrasO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.