Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Obras da diretoria de Graça tiveram desvio de R$ 700 mi

Ao detalhar as perdas com corrupção, Petrobrás citou prejuízo na diretoria de Gás e Energia, que foi comandada por Graça Foster

Fernanda Nunes, Antonio Pita, O Estado de S. Paulo

23 Abril 2015 | 21h58

RIO - Projetos assinados pela ex-presidente da Petrobrás Graça Foster, na época em que era diretora de Gás e Energia da empresa, estão na lista das obras superfaturadas que geraram perdas de R$ 6,2 bilhões, de 2004 a 2012. A petroleira assumiu na quarta-feira que parte do dinheiro, R$ 700 milhões, foi desviada da diretoria comandada por Graça no período de 2007 a 2012.

Ela deixou a diretoria de Gás e Energia para ocupar a presidência da Petrobrás, em janeiro de 2012. Três meses depois, afastou os diretores Paulo Roberto Costa, que ocupava a área de Abastecimento; Renato Duque, de Serviços; e Jorge Zelada, da Internacional. Costa - que se tornou o principal delator do esquema de corrupção - e Duque foram presos durante as investigações da Operação Lava Jato.

A área de Abastecimento, responsável por refinarias e pela comercialização de petróleo, concentrou mais da metade do total da corrupção: R$ 3,4 bilhões. A área de Exploração e Produção - que o ex-deputado federal Severino Cavalcanti (PP/PE) definiu como a que “fura poço e acha petróleo” - foi responsável pelo desvio de R$ 2 bilhões. E há R$ 100 milhões em “outros” departamentos.

Graça. Ao detalhar as perdas por diretoria, a Petrobrás, pela primeira vez, admitiu a existência de corrupção na diretoria comandada por Graça. Até então, o foco estava na área de Abastecimento, das refinarias.

Costa, em depoimento à Polícia Federal, chegou a afirmar que a cobrança de propina era uma realidade em todas as diretorias, mas não citou Graça como integrante do esquema.

Já o empresário da Toyo Setal Augusto Mendonça, disse nesta quinta-feira à CPI da Petrobrás que a área de Serviços da empresa, responsável pelas contratações de equipamentos e serviços de engenharia, tentava cobrar propina em todos os projetos da empresa, de todas as diretorias.

Ildo Sauer, que dividiu com Graça a diretoria de Gás e Energia no período sob investigação, argumenta que todas as compras eram feitas pela área de Serviços e Engenharia da empresa e cabia à sua diretoria apenas apontar a necessidade de construção de um projeto.

“Garanto que na minha gestão não houve nada ilícito. Ninguém pode jogar uma informação sobre investigações de 2004 a 2012 sem especificar os projetos sob suspeita. Acusações genéricas são irresponsáveis”, afirmou Sauer, reclamando do que considerou “falta da clareza” da Petrobrás ao detalhar a corrupção por diretoria.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Atual diretor de Gás e Energia, Hugo Repsold disse que grande parte dos R$ 700 milhões desviados diz respeito à construção de gasodutos
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Procurada, Graça Foster não quis se pronunciar. A atual direção da Petrobrás também informou, por meio de sua assessoria, que não falaria a respeito.

Obras suspeitas. O atual diretor de Gás e Energia, Hugo Repsold, disse ao Estado que grande parte dos R$ 700 milhões desviados diz respeito à construção de gasodutos. Há ainda uma pequena parcela de usinas térmicas. Repsold citou, entre os principais projetos, o Gasoduto da Integração Sudeste-Nordeste (Gasene), um investimento de R$ 8,8 bilhões, criado para transportar gás natural entre as duas regiões.

Alvo da CPI, o gasto com a rede de transporte de gás é questionado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por ter sido constituído na forma de Sociedade de Propósito Específico (SPE) e por causa de um sobrepreço de 1.800% no trecho de Cacimbas (ES) a Catu (BA), obra realizada no período em que Graça Foster era diretora.

A Petrobrás contabilizou ainda desvio de recursos na construção do gasoduto Urucu-Manaus, iniciada em 2006 com o orçamento de R$ 2,5 bilhões e, após aditivos no contrato, concluída em 2009 a R$ 4,5 bilhões. O ex-gerente de Engenharia da companhia Pedro Barusco, em depoimento à Operação Lava Jato, admitiu a cobrança de propina de 1% sobre o valor total da obra, de R$ 666 milhões. / COLABOROU KARIN SATO 

Mais conteúdo sobre:
petrobrásgraça foster

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.