Obras nas estradas do Norte do País podem sair em 2005

O governo federal pretende concluir no ano que vem os projetos de licitação para as obras em duas rodovias federais do Norte do País: a BR-319, entre Manaus (AM) e Porto Velho (RO); e a BR-317, no Acre, que facilitará o transporte de carga do Acre ao Oceano Pacífico. A informação foi prestada hoje pelo ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, destacando que essas estradas têm de ser reformadas para melhorar o transporte de produtos da Zona Franca de Manaus.Nascimento também contou que há uma discussão com o governo da Guiana Francesa para solucionar o financiamento para reconstrução de trechos da BR-156, que liga o Oiapoque (AP) à Guiana. Os recursos serão divididos entre os governos dos dois países. Não há prazo para início das obras. A estrada na região de fronteira está em mau estado de conservação e o ministro mostrou-se empenhado em reverter o processo, já que é um político do Amazonas.BR-163Nascimento, que está no cargo há apenas 40 dias, afirmou que é favorável à participação da iniciativa privada nas obras da BR-163, no trecho entre Santarém (PA) e Santa Helena (MT). As obras dessa estrada são importantes para um grupo de empresários ligados à exportação de soja a partir do Centro-Oeste, que se comprometeu a bancar os trabalhos, caso não haja interesse de outras empresas. Entre os grupos interessados estão Bunge, Cargill e Maggi e as obras serão feitas pelo sistema de Parceria Público-Privada (PPP). O projeto de lei do PPP foi aprovado pela Câmara e está em discussão no Senado.Fernão DiasNascimento também disse que o governo pediu um crédito suplementar de R$ 80 milhões para terminar a duplicação da Rodovia Fernão Dias (BR-381) no trecho de Minas Gerais. A duplicação foi feita no trecho paulista. Segundo ele, as obras serão concluídas em quatro meses. No segundo semestre, a Fernão Dias deverá entrar no leilão de licitações para administração privada. O ministro participou hoje do 1º Induslog - Fórum de Logística e Competitividade Industrial, promovido pela Federação e Centro das Indústrias de São Paulo (Fiesp/Ciesp).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.