Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Obras no aeroporto de Natal devem terminar em 2010

O secretário de Planejamento do Rio Grande do Norte, Wagner Araújo, confirmou hoje que o decreto assinado ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva incluindo o aeroporto de São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana de Natal, no Programa Nacional de Desestatização abre caminho para a realização de uma Parceria Público-Privada (PPP) ou de uma concessão à iniciativa privada que permitirá a conclusão das obras e o início das operações do aeroporto em 2010. O aeroporto custará R$ 560 milhões e terá capacidade para receber 5 milhões de passageiros por ano. A decisão final sobre a privatização do aeroporto foi acertada na última quarta-feira em audiência da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, com a governadora Wilma de Faria, da qual participaram o presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), o senador oposicionista José Agripino (DEM-RN) e outros parlamentares do Estado. Deputados e senadores reforçaram o apelo em favor da privatização. Na audiência com a ministra, a governadora argumentou que os recursos da iniciativa privada são fundamentais para a conclusão das obras. Em dezembro, Wilma de Faria já tinha falado sobre o assunto com o presidente Lula e recebido o sinal verde para levar a proposta do decreto à Casa Civil. No dia seguinte da audiência da governadora com Dilma, o presidente assinou o decreto garantindo a desestatização do aeroporto, controlado atualmente pela Infraero, a estatal que administra os aeroportos do País. Segundo a assessoria do governo do Rio Grande do Norte, seis grupos privados, nacionais e estrangeiros, estão interessados em investir no novo aeroporto. Até agora, o governo federal já investiu R$ 60 milhões nas obras e outros R$ 40 milhões estão previstos para este ano. Do governo estadual, serão R$ 70 milhões. O edital da concorrência para formação da PPP ou da concessão ficará a cargo do BNDES. A Infraero e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) acompanharão o processo de privatização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.