OCDE alerta sobre riscos da aposentadoria precoce

Em meio ao intenso debate sobre a reforma da Previdência em todo o mundo, inclusive no Brasil, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) faz um alerta: os governos e empresas devem adotar políticas para garantir que trabalhadores com mais idade permaneçam em seus empregos o maior tempo possível e evitem aposentadorias precoces. Caso contrário, o sistema previdenciário que o mundo conhece irá falir em pouco anos. Segundo um estudo publicado hoje, para cada 100 pessoas entre 20 e 64 anos, que vivem nos países ricos, 22 têm mais de 65 anos. Em 2050, esse número atingirá 46, o que significa que o número de pessoas aposentadas aumentará de forma assustadora em comparação aos que estarão trabalhando e contribuindo para financiar essas aposentadorias.Para reverter o cenário negativo, a OCDE pede uma ação urgente dos governos. Nos países ricos, 48% das pessoas entre 54 e 65 anos estão empregados. Mas na França, por exemplo, esse número é de apenas 25%, o que deverá gerar uma pressão extra sobre a Previdência em poucas décadas. A OCDE ainda revela que, em alguns casos, cidadãos franceses têm passado do seguro desemprego diretamente para a aposentadoria.Mudança de atitudePara salvar o sistema previdenciário, portanto, as reformas não serão suficientes. Na avaliação da OCDE será necessário uma mudança na atitude de governos, empresas e trabalhadores. Para o setor privado, o recado é simples: permitir que pessoas com mais idade continuem desempenhando trabalhos de responsabilidade, o que incentivaria o trabalhador a se manter em seu emprego até a idade de se aposentar. Agências de trabalho também devem dar mais atenção aos mais velhos e garantir que não haja discriminação na escolha dos empregados por razão de idade. Já as recomendações para os governos vão no sentido de eliminar os incentivos existentes para que trabalhadores peçam aposentadorias antes da idade estipulada pela lei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.