OCDE eleva projeção do PIB para EUA e China neste ano

Previsão de recessão americana cai de -4% para -2,8% e crescimento chinês é revisado de 6,3% para 7,7%

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

24 de junho de 2009 | 08h46

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) previu uma melhora na economia de China e dos EUA no segundo semestre. A previsão para PIB americano subiu de -4% para -2,8%. A projeção para a economia chinesa foi revisada de 6,3% para 7,7%, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira, 24.

Veja também:

link OCDE vê retomada do Brasil no 2º semestre e retração no ano

link OCDE diz que BCs precisam manter juros perto de zero

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

O cenário analisado pela OCDE indica que a perspectiva para a economia dos EUA melhorou nos últimos meses, com redução do spread entre os mercados interbancário e de commercial papers e sinais de estabilização no mercado imobiliário.

 

"A economia dos EUA passa por uma recessão severa e prolongada, que deve atingir o piso mais tarde este ano, conforme o suporte monetário e fiscal domina e o ciclo imobiliário sai de seu ponto mais baixo", disse a organização.

 

O setor financeiro continua representando o maior risco ao cenário mais positivo, com mercados e instituições ainda sob "estresse considerável", de acordo com o relatório. "A restauração da confiança nos intermediários e mercados financeiros é vital para que uma recuperação forte e sustentada ocorra", analisou a OCDE.

 

Ainda de acordo com a organização, o governo Obama deve implementar planos para remover ativos tóxicos dos balanços dos bancos, enquanto o Federal Reserve deve se manter pronto para expandir o tamanho de suas operações de afrouxamento quantitativo.

 

China

 

Segundo a OCDE, as medidas de estímulo fiscal e expansão monetária do governo são os motores do crescimento chinês. "A retomada no crescimento do crédito está ajudando a economia a ganhar força, mas será importante para os supervisores do setor financeiro ficar de olho atento à qualidade dos portfólios dos bancos", afirmou a organização.

A forte demanda doméstica vai levantar o crescimento em base anual do Produto Interno Bruto da China dos 6,1% registrados no primeiro trimestre para mais de 9% em algum momento mais tarde em 2009, embora o crescimento da China neste ano provavelmente fique abaixo dos 9% registrados em 2008 e bem abaixo do ritmo de dois dígitos dos últimos anos. A OCDE espera que a economia chinesa cresça 9,3% em 2010, acima da projeção anterior de expansão de 8,5%. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAChinacriseOCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.