OCDE elogia economia da América Latina mas critica desigualdade

A América Latina mostra boas taxas decrescimento, mas ainda pode fazer mais em matéria fiscal,previdência social e intercâmbio comercial para derrotar osmaiores níveis de desigualdade do mundo, disse a OCDE nestaquarta-feira. Em seu primeiro estudo anual sobre "Perspectivas Econômicasda América Latina em 2008", a Organização para a Cooperação eDesenvolvimento Econômico (OCDE) destacou que o nível decrescimento da região e a estabilidade democrática são umanorma, e não uma mera exceção. Mesmo assim, a OCDE afirmou em um relatório distribuído emSantiago que os governos não podem "ignorar os desafios queexigem a luta contra a pobreza e a desigualdade no momento emque fomentam o desenvolvimento e o crescimento econômicoestável e sustentável". O órgão destacou que a América Latina tem os maiores níveisde desigualdade do mundo, já que cerca de 40 por cento dapopulação, aproximadamente 200 milhões de pessoas, vivem emcondições de pobreza. A OCDE, com sede em Paris, frisou que as reformas fiscaisdisparadas pela América Latina nos anos oitenta e noventaproduziram avanços importantes e resultados positivos. "Ainda falta muito por fazer", disse a OCDE, acrescentandoque o "Brasil arrecada e gasta muito", enquanto outros paísesda região precisam contar com melhores sistemas de arrecadaçãoe maior qualidade no gasto público. A América Latina lidera o mundo em matéria de sistema depensões "ao oferecer uma fonte confiável de ingresso para aspensões dos trabalhadores e reduzir os problemas fiscais que ossistemas existentes trazem para as contas públicas". O órgão apontou que a reforma no sistema de pensõesimplantado no Chile em 1981 foi um modelo, não apenas para os 9países da região como para vários países fora da AméricaLatina, incluindo alguns da OCDE. O Brasil é o único que nãorealizou uma reforma similar. Ainda assim, a OCDE lembrou que a implementação dossistemas de pensão deve ser acompanhada de outras reformas,junto a uma consolidação fiscal e a uma maior poupançainterna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.